Exposição na Terra Santa faz harmonia religiosa rara

sexta-feira, 21 de dezembro de 2007 12:13 BRST
 

Por Yehuda Gruber

JERUSALÉM (Reuters) - Em uma rara manifestação de harmonia religiosa na Terra Santa, um museu de Jerusalém está expondo os símbolos compartilhados pelo judaísmo, o cristianismo e o islã.

Enquanto as três religiões monoteístas comemoram o Hanukah, o Natal e o Eid al Adha, o Museu Terras Bíblicas, em Jerusalém, abriu uma exposição para destacar o quanto elas têm em comum. É uma lição importante a ser aprendida numa região dilacerada por conflitos religiosos, disse o museu.

"É importante recordar que nossas origens são mútuas", disse Filip Vukosavovic, curador assistente da exposição "Três Faces do Monoteísmo". "Foi apenas recentemente que começamos a separar tudo, lamentavelmente."

A mostra inclui pedras da antiguidade gravadas com crucifixos, estrelas e a imagem classicamente judaica da menorá --um candelabro de nove velas que simboliza a luz e a esperança --, além de jóias e objetos dos séculos 3 ao 13 utilizados em rituais.

Os curadores do museu afirmam que alguns símbolos associados a uma religião específica às vezes já foram usados por outras religiões, já que as três compartilham uma origem comum.

Por exemplo, dizem, os menorás, que os judeus acendem durante os rituais do Hanukah, apareciam gravados nas paredes de algumas catacumbas cristãs em Roma e impressos nas moedas usadas por uma dinastia islâmica do século 7. Imagens da pomba, associada pelos cristãos ao Espírito Santo, foram encontradas em túmulos de judeus.

O museu disse que a estrela é usada em muitas culturas como símbolo de "ordem cósmica ou luz celestial". E, enquanto uma estrela de seis pontas aparece na bandeira de Israel e é conhecida pelos judeus como Estrela de Davi, estrelas de cinco e de seis pontas já foram usadas como símbolos muçulmanos.

A Terra Santa, e especialmente a Cidade Velha de Jerusalém, é reverenciada por judeus, cristãos e muçulmanos, e a tensão em torno dos locais santos é uma das questões mais delicadas que está ao cerne do conflito israelo-palestino que se arrasta há décadas.

O Museu Terras Bíblicas procura destacar a herança comum de judeus e árabes, chamando a atenção para a história bíblica.