Líder dos Sex Pistols diz que punk é sobre família e comunidade

sexta-feira, 4 de julho de 2008 13:35 BRT
 

Por Golnar Motevalli

LONDRES (Reuters) - Johnny Rotten e sua banda punk Sex Pistols provocaram o establishment britânico por décadas, falando palavrões na TV e zombando da realeza.

Assim, pode surpreender ouvir o vocalista John Lydon -- ou Johnny Rotten, como é mais conhecido -- descrever o movimento punk, que ele ajudou a lançar, como defensor dos "valores familiares".

"Valores familiares, união, espírito, comunidade. Todas essas coisas que tentam roubar de nós. Isso é o punk", disse Lydon à Reuters em entrevista esta semana.

"Quase não há equipamentos sobre o palco porque uma banda séria não precisa de quantidades enormes de engenhocas eletrônicas. Não há fake, não há enganação", disse o vocalista no lançamento em Londres de um DVD de uma turnê dos Sex Pistols feita em 2007.

"As canções são tão irreverentes e obscenas quanto todo o mundo neste país deveria ser sempre. São cheias de ironia e diversão."

Os Sex Pistols são conhecidos sobretudo por canções como "Anarchy In The U.K.", "Pretty Vacant" e "God Save the Queen", todos de seu álbum "Never Mind the Bollocks ... Here's the Sex Pistols", de 1977.

Apesar de ser o primeiro e único álbum da banda gravado em estúdio, o disco frequentemente é citado como um dos mais influentes na história da música pop.

AMIGOS, FAMILIARES, FAMOSOS   Continuação...