Reuters demanda novo inquérito sobre mortes em hotel de Bagdá

terça-feira, 20 de maio de 2008 16:19 BRT
 

BAGDÁ (Reuters) - A Reuters News afirmou na terça-feira estar requisitando um novo inquérito sobre a morte de dois jornalistas em Bagdá atingidos por um tanque dos Estados Unidos.

Essa decisão foi tomada depois de uma notícia ter levantado dúvidas a respeito das circunstâncias envolvendo a morte deles.

O cameraman ucraniano Taras Protsyuk, da Reuters, e o cameraman Jose Couso, que trabalhava para a rede espanhola Telecinco, foram mortos quando o disparo realizado por um tanque atingiu o Palestine Hotel, no dia 8 de abril de 2003, nos últimos estágios da guerra iniciada com a invasão norte-americana do Iraque.

A Reuters News, parte da empresa mundial de notícias Thomson Reuters, disse que escreveria para o Comitê dos Serviços Armados do Senado dos EUA a fim de requisitar a realização de um novo inquérito por causa de uma matéria publicada pelo Democracy Now, um site noticioso norte-americano.

No dia 15 de maio, o Democracy Now (www.democracynow.org) colocou no ar uma entrevista com uma ex-sargento do serviço de inteligência do Exército dos EUA afirmando ter recebido uma lista com alvos em potencial. Entre esses alvos, constava o Palestine Hotel.

A sargento, Adrienne Kinne, disse que também recebeu ordens para grampear os telefones usados pelos jornalistas que estavam hospedados no hotel.

Kinne, que serviu nas Forças Armadas entre 1994 e 2004, afirmou ter ficado surpresa ao ver o hotel na lista de alvos em potencial porque o local abrigava um grande número de repórteres estrangeiros.

Antes da invasão norte-americana e durante o conflito propriamente dito, sempre houve muitos jornalistas estrangeiros hospedados no Palestine, que fica na região central de Bagdá.

Segundo Kinne, a lista de alvos circulou em um email que ela própria havia recebido.

Uma investigação conduzida pelos militares chegou à conclusão de que os ocupantes do tanque norte-americano agiram segundo os padrões recomendados de comportamento. Eles dispararam porque pensaram ter visto um homem que adotava uma atitude suspeita.

Uma investigação da Reuters a respeito do crime descobriu ter havido uma interrupção das comunicações entre os comandantes e seus soldados.