Com exposição de quadros, Dylan troca os palcos pelas galerias

segunda-feira, 9 de junho de 2008 12:34 BRT
 

Por Mike Collett-White

LONDRES (Reuters) - Bob Dylan, o celebrado cantor, compositor e poeta, é também um artista plástico reconhecido, revela uma nova exposição de seus quadros.

A Galeria Halcyon, na região central de Londres, exibirá dezenas de trabalhos do músico de 67 anos de idade, em sua maioria versões vibrantes em aquarela e guache de uma série de desenhos que criou entre 1989 e 1992, enquanto realizava turnês e gravava canções em um estúdio.

As obras foram publicadas em 1994, em um livro chamado "Drawn Blank". Anos mais tarde, depois de um curador de uma galeria de arte em Chemnitz, Alemanha, tê-lo abordado, Dylan voltou à série.

Os desenhos originais foram escaneados digitalmente e, em alguns casos, ampliados antes de o músico retrabalhá-los usando tipos diferentes de cor.

O resultado é "The Drawn Blank Series", uma coleção de cenas do cotidiano, entre as quais trilhos de trem, retratos, girassóis, carros destruídos, caminhões, naturezas-mortas e imagens semi-eróticas de uma mulher com os seios à mostra ou de irmãs se despindo.

Dylan sempre se negou a interpretar sua obra, seja ela a musical ou a visual. Em declarações dadas nos anos 1990, ele explicou: "O propósito dos meus desenhos é bastante vago. Trata-se de desenhos muito pessoais."

E, em uma entrevista concedida ao jornal The Times para divulgar a exposição, Dylan disse que quaisquer semelhanças com outros artistas mais conhecidos não passavam "de acidente ou da ação do instinto".

O compositor aproveitou a oportunidade para criticar a indústria da música. "O mundo da música é formado por um monte de bobagens hipócritas", afirmou ao Times. "E o mundo das artes plásticas? Basicamente, eles são o que dizem que são. Não há fingimento."   Continuação...

 
<p>Imagem de divulga&ccedil;&atilde;o da pintura Train Tracks, do compositor e poeta Bob Dylan. Photo by Reuters (Handout)</p>