Mundo problemático faz dramaturgo Tom Stoppard parar para pensar

quinta-feira, 10 de julho de 2008 13:35 BRT
 

Por Stuart Grudgings

PARATI (Reuters) - Em uma carreira teatral cujos temas abrangem desde Shakespeare até revolucionários russos e o rock dos anos 1960, o trabalho do dramaturgo Tom Stoppard sempre partiu de sua identidade de artista vivendo em uma democracia aberta.

Mas ele diz que as guerras no Iraque e Afeganistão e o que ele vê como sendo a erosão das liberdades na Europa e nos EUA desde os ataques de 11 de setembro estão contestando essas premissas pelas quais ele sempre se pautou -- e lhe estão provocando um bloqueio criativo.

"Desconfio que é essa a razão pela qual venho tendo dificuldade em encontrar uma peça depois de 'Rock'n'Roll'. Ainda não comecei a escrever outra", disse Stoppard, referindo-se a sua peça de 2006 sobre amor, revolução e música no final dos anos 1960.

O escritor britânico de origem tcheca, que completou 71 anos na semana passada, participou da Flip, a Festa Literária Internacional de Parati, um tipo de evento que é uma raridade para o dramaturgo, que odeia viajar e é anti-social confesso.

"Hoje em dia há tantos temas tão enormes e importantes à nossa frente que você arregala os olhos: 'ok, será que escrevo sobre o aquecimento global? Talvez eu fale do Iraque, talvez do Afeganistão', e então nada é escrito, porque essa é a maneira errada de abordar as coisas", disse ele.

"Não se pode abordar o que se quer fazer com essa perspectiva, porque ter uma opinião não é o mesmo que ter uma peça."

Stoppard, que ficou famoso por "Rosencratz and Guildenstern Are Dead", de 1967, não é conhecido como autor polêmico, embora questões relativas à liberdade individual sejam fundamentais em boa parte de sua obra.

Sua família chegou à Grã-Bretanha quando ele era criança, fugindo dos nazistas, e Stoppard sempre teve uma visão negativa das tendências autoritárias.   Continuação...

 
<p>Mundo problem&aacute;tico faz dramaturgo Tom Stoppard parar para pensar. Em uma carreira teatral cujos temas abrangem desde Shakespeare at&eacute; revolucion&aacute;rios russos e o rock dos anos 1960, o trabalho do dramaturgo Tom Stoppard sempre partiu de sua identidade de artista vivendo em uma democracia aberta. Foto do Arquivo. Photo by Lucas Jackson</p>