Museu do Prado mostra Goya "em tempos de guerra"

sexta-feira, 11 de abril de 2008 15:47 BRT
 

MADRI (Reuters) - "La carga de los mamelucos" e "Los fusilamientos de La Moncloa", duas obras-primas de Goya, esplêndidas depois de serem restauradas e reunidas como o pintor queria que fossem vistas, são o destaque principal da mostra "Goya em Tempos de Guerra", que será inaugurada pelo Museu do Prado.

A pinacoteca madrilenha reuniu quase 200 trabalhos do artista que refletem 25 anos de sua vida -- desde 1794, depois de superar o acidente que o deixou surdo, até nove anos antes de sua morte.

A mostra, que será aberta na próxima terça-feira, consiste em 90 pinturas, 65 das quais pertencem a outras instituições e a coleções particulares, além de desenhos e gravuras.

"É o diário artístico de Goya durante a virada do século 19, um período turbulento na história da Espanha", disse na sexta-feira o diretor do Museu do Prado, Miguel Zugaza, em coletiva de imprensa.

"Goya é um ilustrado, formado na razão, que assiste ao triunfo inesperado da violência e da não-razão", acrescentou.

A mostra marca o bicentenário do início da Guerra da Independência, à qual a comunidade madrilenha ainda vai dedicar outras exposições.