Ex-chefe da espionagem britânica declara: "não matamos Diana"

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 12:44 BRT
 

Por Paul Majendie

LONDRES (Reuters) - O ex-chefe da espionagem britânica tomou na quarta-feira a rara iniciativa de vir a público para negar que os serviços de segurança tenham assassinado a princesa Diana.

O Serviço Secreto de Inteligência (SIS, na sigla inglesa) normalmente não confirma nem desmente histórias sobre suas operações de espionagem.

Mas o ex-chefe do MI6, Richard Dearlove, decidiu falar publicamente sobre a morte de Diana e seu namorado Dodi al Fayed num acidente em Paris em 1997.

O pai de Dodi, Mohamed al Fayed, diz que seu filho e Diana foram mortos pelos serviços de segurança britânicos por ordem do príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth e ex-sogro de Diana.

Para Fayed, o assassinato foi ordenado porque a família real não queria que a mãe do futuro rei tivesse um filho de Dodi. Segundo Fayed, o corpo de Diana foi embalsamado para ocultar os sinais de sua gravidez.

Dearlove desmentiu terminantemente as acusações no inquérito sobre a morte de Diana e Dodi, onde Mohamed al Fayed vem fazendo várias acusações contra figuras de destaque do establishment britânico.

O advogado Ian Burnett perguntou a Dearlove: "Durante os anos em que o sr. trabalhou no SIS, de 1966 a 2004, o sr. teve conhecimento de algum caso em que o serviço tenha cometido algum assassinato político?"

"Não", respondeu Dearlove.   Continuação...