Colecionador deixa obras de arte de grande valor à Inglaterra

segunda-feira, 29 de outubro de 2007 11:30 BRST
 

LONDRES (Reuters) - O colecionador de arte britânico Simon Sainsbury deixou 18 telas de valor estimado em até 100 milhões de libras para duas coleções nacionais.

Sainsbury, que morreu no ano passado, deixou obras de artistas que incluem Claude Monet, Paul Gauguin, Francis Bacon e Lucian Freud à galeria Tate e à National Gallery. O diretor da Tate, Nicholas Serota, disse que se trata de uma das maiores doações de arte do último século.

"Simon Sainsbury foi um dos grandes patronos das artes de sua geração", disse Serota a jornalistas na Tate Britain, uma das galerias Tate em Londres.

"O legado foi discutido com Simon em meados dos anos 1990, e Simon quis doar quadros para coleções nacionais, quadros que realmente fizessem uma diferença para elas."

Cinco das 18 obras ficarão com a National Gallery e 13, com a Tate, que tende a focar a arte britânica e do século 20.

As telas legadas à National Gallery incluem "Cena de Neve em Argenteuil" (1875) e "Nenúfares, Sol Poente" (1907), de Monet, "Retrato de Joseph Brummer" (1909), de Henri Rousseau, "Depois do Banho" (1896), de Edgar Degas, e um quadro de Gauguin.

A Tate recebeu obras que incluem "Study for a Portrait" (1952), de Francis Bacon, aparentemente inspirada no filme "O Encouraçado Potemkin", de Sergei Eisenstein, e telas de Pierre Bonnard, Balthus, Thomas Gainsborough e Lucian Freud.

"É uma das doações mais importantes recebidas pela nação nos últimos 100 anos", disse Serota, acrescentando que o valor das telas é de entre 70 e 100 milhões de libras.

A Tate vai expor as 18 telas doadas em uma mostra no próximo verão do Hemisfério Norte.

Simon Sainsbury pertencia à família proprietária da J. Sainsbury, uma das maiores cadeias de supermercados da Grã-Bretanha.