Morre Alain Robbe-Grillet, fundador do "novo romance" francês

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008 17:33 BRT
 

Por Richard Balmforth

PARIS (Reuters) - O escritor e cineasta Alain Robbe-Grillet, "enfant terrible" do establishment literário francês que ajudou a fundar a escola do novo romance, nos anos 1950, morreu na segunda-feira aos 85 anos, informou sua editora.

Robbe-Grillet tornou-se figura cult entre intelectuais franceses do pós-guerra, com um gênero de romance que rejeitava convenções como trama, caracterização e emoções.

O gênero lançou um tipo de ficção semifilosófica em que pouco acontece, mas muita coisa é observada, imaginada ou pensada.

Após a publicação de "Les Gommes" em 1953, Robbe-Grillet lançou mais de uma dúzia de romances ao longo de 20 anos, incluindo "Le Voyeur", em 1955, e "La Jalousie" em 1957.

Mas o gênero frio que ele ajudou a fundar, frequentemente destituído de foco narrativo mas obcecado com a descrição de objetos inanimados, não agradou ao grande público e nunca chegou a ser largamente aceito.

No auge de sua fama, em 1961, ele foi convidado a escrever o roteiro do filme "O Ano Passado em Marienbad" -- quase um reflexo do "novo romance" em forma cinematográfica, com a interação repetitiva e onírica entre três personagens sem nome.

A partir desse momento, Robbe-Grillet dedicou-se sobretudo ao cinema, não apenas escrevendo roteiros mas também dirigindo vários filmes, incluindo "La Belle Captive", em 1983.

Ele não chegou a ser largamente conhecido na Europa exceto em seu país, mas ganhou alguma fama nos EUA e lecionou em Nova York e St. Louis por muitos anos, até 1990.   Continuação...