10 de Setembro de 2008 / às 16:03 / 9 anos atrás

ENTREVISTA-Juanes se diz satisfeito por fazer música social

<p>Cantor colombiano Juanes posa para fot&oacute;grafos antes de uma coletiva de imprensa no M&eacute;xico, dia 28 de agosto. A m&uacute;sica ofereceu a desculpa perfeita para que o cantor colombiano Juanes chamasse a aten&ccedil;&atilde;o de todos para os problemas que afligem a sociedade atual. Photo by Henry Romero</p>

CARACAS (Reuters) - A música ofereceu a desculpa perfeita para que o cantor colombiano Juanes chamasse a atenção de todos para os problemas que afligem a sociedade atual.

O artista, que desde o início de sua carreira esforçou-se para denunciar os problemas da América Latina e do restante do mundo, confessou em uma entrevista concedida à Reuters desde Moscou, por telefone, que não se sente um líder das massas e que esse compromisso deve ser assumido por qualquer cidadão preocupado com o futuro.

Juanes, no entanto, admitiu que sua popularidade funcionou como um elemento-chave para fazer-se escutar.

"As duas coisas caminham lado a lado. A música, para mim, é de fato como o eixo de tudo. Foi a música que me levou ao trabalho social e, hoje em dia, sinto que ambas as coisas são muito importantes", afirmou o cantor, cujos sucessos incluem as músicas "Me enamora" e "A Dios le pido".

Juanes concorre a sete prêmios na edição latino-americana do MTV Awards, cerimônia que ocorre no México, em outubro.

"Sou muito grato à MTV porque eles me apoiaram enormemente desde o começo da minha carreira solo. Isso me surpreendeu de uma forma muito positiva", disse.

Durante uma pausa feita em meio a uma grande turnê que inclui os EUA, a Europa e a América Latina, Juan Esteban Aristizábal reconheceu, porém, que o aspecto social é uma tendência em voga no mundo musical.

"Nos últimos tempos, a maioria dos artistas nos envolvemos com a música. E, também com essa desculpa, se pode chegar a mais pessoas com coisas que são importantes", acrescentou.

Neste ano, Juanes organizou um concerto pela paz na fronteira entre a Colômbia e a Venezuela, em meio a um conflito diplomático envolvendo esses dois países vizinhos.

Mais tarde, encabeçou outro evento musical, este em Paris, a favor da paz na Colômbia, uma nação que convive há décadas com um conflito armado. Desse show participou a ex-candidata franco-colombiana Ingrid Betancourt, libertada havia pouco tempo depois de passar seis anos nas mãos da guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

"É muito importante ter uma opinião e tratar de colocar todos em sintonia com isso, como em um coro. Não podemos ficar indiferentes diante dos problemas e precisamos, de alguma forma, exigir o que nos é de direito", afirmou.

Retratando sua inquietude diante da realidade atual do mundo, o cantor compôs, durante uma turnê pela Europa, a música "El odio por amor", que constará de um relançamento de "La vida... es un ratico", a sair em novembro.

"Não queria esperar dois anos para lançar um novo álbum. Este era o momento e a canção fala sobre a forma de atuar, sobre como vivemos, sobre como estamos nos matando e sobre talvez haver chegado o momento de mudarmos de atitude", disse.

O relançamento de seu trabalho mais recente incluirá outras canções inéditas, além de músicas gravadas durante a turnê mundial.

Por Fabián Andrés Cambero

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below