Homens gays ganham 23% menos que os casados, diz estudo

quarta-feira, 24 de outubro de 2007 18:12 BRST
 

NOVA YORK (Reuters) - Os homossexuais masculinos, mas não as lésbicas, sofrem discriminação no trabalho e ganham até 23 por cento menos que os homens casados em alguns empregos, segundo um novo estudo feito nos Estados Unidos.

Pesquisadores da Escola de Negócios e Economia Whittemore, da Universidade de New Hampshire passaram dois anos estudando dados de trabalho e renda de 91 mil casais homossexuais e heterossexuais, recolhidos no censo norte-americano de 2004.

Eles concluíram que os homens homossexuais em cargos de gerência ou empregos de baixa qualificação ganham menos que os heterossexuais, por causa da discriminação dos patrões.

"Foi surpreendente ver como é consistente (a idéia) de que os homens gays tendiam a ser mais discriminados em profissões tradicionalmente dominadas por heterossexuais masculinos -operários, trabalhos braçais, postos de gerência também", disse pesquisador Bruce Elmslie, professor de economia da universidade, à Reuters.

O estudo concluiu que homossexuais que vivem com os parceiros ganham 23 por cento menos que os homens casados e 9 por cento menos que os heterossexuais que vivem com uma mulher.

Eles examinaram as dez ocupações com maior participação de homens e mulheres homossexuais, e concluíram que a discriminação ocorre mais claramente em ocupações tradicionalmente masculinas e de baixa qualificação, como construção, limpeza e manutenção.

Mas Elmslie e seu colega Edinaldo Tebaldi concluíram que as lésbicas não sofrem discriminação trabalhista em comparação com as colegas heterossexuais.

(Por Belinda Goldsmith)