Rússia estuda criar biblioteca para preservar legado de Putin

quinta-feira, 10 de janeiro de 2008 11:20 BRST
 

MOSCOU (Reuters) - Um grupo de parlamentares russos quer dar ao presidente Vladimir Putin uma biblioteca presidencial em estilo dos EUA para perpetuar seu legado depois de ele deixar a presidência, no próximo ano.

Os críticos de Putin acusam o Kremlin de criar um culto à personalidade em torno do presidente para prolongar sua influência depois de sua saída do cargo, mas os autores de um projeto de lei sobre "Centros de Legado Histórico" de ex-presidentes disseram que não foi esse seu objetivo.

"Nossa iniciativa não deve, de maneira alguma, ser vista como culto à personalidade", declarou Mikhail Starshinov, deputado do partido pró-Kremlin Rússia Justa e um dos autores da iniciativa. "Os líderes de governos são imortalizados, de uma maneira ou outra, em muitos países civilizados", disse ele à Reuters.

O projeto de lei, que propõe a criação de bibliotecas presidenciais para todos os chefes de Estado desde que a Rússia emergiu da ex-União Soviética, em 1991, foi submetido na quarta-feira à apreciação da Duma, a câmara baixa do Parlamento.

Os deputados ainda não o discutiram, mas o projeto conta com defensores poderosos: um de seus autores é Sergei Mironov, presidente do Conselho da Federação, a câmara alta do Parlamento. O Kremlin ainda não revelou o que pensa da idéia.

A lei proposta prevê que seja empregado dinheiro dos contribuintes para criar um museu, arquivo e biblioteca controlados pelo ex-presidente ou seus herdeiros e que servirão como repositório de documentos acumulados durante seu mandato.

Putin e Boris Ieltsin, seu antecessor, morto no ano passado, teriam direito a ter esses centros em seus nomes. Eles seguiriam o modelo das bibliotecas que são criadas para cada presidente dos EUA após o término de seu mandato.

Putin, 55 anos, é visto por muitos russos como responsável por resgatar o país do caos da década de 1990. Sua popularidade também foi incrementada pelo boom econômico movido pelos altos preços do petróleo e gás, os principais produtos de exportação russos.

Dmitry Medvedev, aliado de longa data de Putin, é o candidato visto como favorito para suceder a ele na eleição presidencial de 2 de março.

Putin já disse que estará disposto a ser primeiro-ministro numa possível administração Medvedev -- o que lhe permitiria conservar seu controle sobre o poder.

 
<p>O presidente russo, Vladimir Putin, durante discurso de Ano Novo no Kremlin, em Moscou. Um grupo de parlamentares russos quer dar ao presidente Vladimir Putin uma biblioteca presidencial em estilo dos EUA para perpetuar seu legado depois de ele deixar a presid&ecirc;ncia, no pr&oacute;ximo ano. Photo by Pool</p>