Arte de valor deve incomodar, não tranquilizar, diz Gormley

quarta-feira, 5 de março de 2008 16:27 BRT
 

Por Jeremy Lovell

LONDRES (Reuters) - A boa arte, diz Antony Gormley, deve fazer você se sentir perturbado, até mesmo desafiado, e não se encaixar corretamente em seu cotidiano.

O papel do artista é fomentar a revolução, não confirmar o status quo, disse o criador da monolítica estátua Anjo do Norte, que transformou seu próprio corpo numa indústria de arte.

"Precisamos infringir nossas próprias regras continuamente. Os artistas são capazes de não respeitar suas próprias convenções, de se tornar preguiçosos", disse Gormley à Reuters na abertura de suas duas novas obras, "Lost Horizon" e "Firmament", na quarta-feira.

"A arte deve ser um agente de desestabilização, de transformação", acrescentou o artista londrino de 57 anos.

Após o sucesso de sua primeira grande retrospectiva na Hayward Gallery e da exposição Event Horizon, realizada no ano passado nos telhados de Londres, as novas instalações de Gormley, no White Cube, são mais uma vez baseadas em seu próprio corpo.

"Lost Horizon" tem 32 cópias de ferro maciço, em tamanho natural, do corpo de Gormley espalhadas pelo chão, as paredes e o teto de uma sala na galeria.

"Firmament" tem 1.770 hastes de aço soldadas, criando uma estrutura gigantesca que retrata o corpo humano e se estende por outra sala, esta subterrânea.

"A arte que faz você se sentir cômodo provavelmente é artesanato, não arte. Ela se enquadrará naturalmente nas convenções; não vai evoluir, não vai desafiar", disse ele.   Continuação...

 
<p>Arte de valor deve incomodar, n&atilde;o tranquilizar, diz Gormley. A boa arte, diz Antony Gormley, deve fazer voc&ecirc; se sentir perturbado, at&eacute; mesmo desafiado, e n&atilde;o se encaixar corretamente em seu cotidiano. 5 de mar&ccedil;o. Photo by Alessia Pierdomenico</p>