Rendição na guerra dos DVDs abala otimismo de estrela da Toshiba

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008 12:36 BRT
 

Por Mayumi Negishi

TÓQUIO (Reuters) - Más notícias jamais pareceram abalar o otimismo de Yoshihide Fujii, presidente da divisão de produtos eletrônicos de consumo do conglomerado eletrônico japonês Toshiba .

Diante de perguntas sobre as vendas lentas dos aparelhos de HD DVD --o formato de DVD que a Toshiba abandonou na terça-feira-- na América do Norte, ele costumava se referir à demanda por drives HD DVD instalados nos computadores Toshiba.

E perguntado sobre quem compraria um gravador de HD DVD por 398 mil ienes (3,7 mil dólares), ele respondia: "Eu compraria este produto até por um milhão de ienes."

Mas a conversa otimista de Fujii mudou abruptamente depois que o estúdio Warner Bros, da Time Warner, abandonou o HD DVD, em janeiro, e anunciou que lançaria as versões de alta definições de seus filmes no formato Blu-ray, promovido pela Sony e Matsushita Electric Industrial .

No dia seguinte, Fujii cancelou a viagem que tinha planejado à Consumer Electronics show, em Las Vegas, e um evento promocional sobre o formato HD DVD. O acervo imenso de filmes da Warner Bros. queria dizer que 70 por cento da produção de Hollywood estaria em formato Blu-ray, e os especialistas começaram a prever o fim do HD DVD.

"Não se trata do Fujii-san que conheço", disse um executivo da Sony, que descreveu o executivo da companhia rival como um construtor de alianças "persistente e charmoso", que havia ajudado a formar uma parceria com a Sony no passado para a produção do microchip Cell, hoje usado no console de videogame PlayStation 3.

Fujii era um astro na divisão de microchips da Toshiba, conglomerado cujos produtos variam de usinas nucleares a refrigeradores.

Mas o sucesso não o acompanhou quando ele se transferiu para a divisão de bens eletrônicos de consumo, uma área de desempenho morno, em 2004, para comandar os esforços da empresa de desenvolver um produto de grande sucesso, como o iPod, da Apple .

"O conteúdo é que determina que formato vencerá, e há muito tempo o voto do conteúdo vem sendo muito favorável ao Blu-ray", disse David Gibson, analista da Macquarie.