Aos 90 anos, guru da ficção científica Arthur Clarke quer ver ET

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007 17:38 BRST
 

Por Simon Gardner

COLOMBO (Reuters) - O visionário e escritor de ficção científica sir Arthur C. Clarke, que completou 90 anos no domingo, diz que tem três desejos para seu aniversário: que um extraterrestre venha visitá-lo, que o homem se livre da dependência do petróleo e que seu país adotivo, Sri Lanka, tenha paz.

Comemorando sua "90a órbita do Sol", o prolífico escritor e teórico, que foi um dos primeiros a sugerir o uso de satélites orbitando a Terra para finalidades de comunicação, gostaria de ser lembrado sobretudo como escritor e prevê que as viagens espaciais comerciais vão se tornar corriqueiras no futuro.

"Se me fosse permitido fazer apenas três desejos ... eu gostaria de ver alguma evidência de vida extraterrestre. Sempre acreditei que não estamos sozinhos no universo, mas ainda aguardamos que um ET venha nos visitar ou nos deixar algum tipo de sinal", disse Clark em vídeo postado no Youtube.com.

"Em segundo lugar, eu gostaria que nos livrássemos de nossa atual dependência do petróleo e adotássemos fontes de energia limpas", acrescentou. "Não podemos permitir que o carvão e o petróleo assem nosso planeta lentamente."

E, em terceiro lugar, ele se volta ao Sri Lanka --país onde vive há 50 anos, escreveu muitos de seus mais de 80 livros e, em 2005, recebeu a maior condecoração civil por suas contribuições para a ciência e a tecnologia e por seu comprometimento com seu país de adoção.

"Vivo no Sri Lanka há mais de 50 anos, e durante metade desse tempo tenho sido uma testemunha entristecida de um conflito amargo que divide meu país adotivo. Eu desejaria ardentemente ver uma paz duradoura no Sri Lanka o quanto antes", disse Clarke.

Cerca de 70 mil pessoas foram mortas desde 1983 na guerra civil entre o Estado e o grupo guerrilheiro Tigres Tâmeis. A guerra continua, e desde o início do ano passado outras 5.000 pessoas já morreram em choques terrestres e marítimos quase diários, explosões de bombas e ataques aéreos.

Nascido na Inglaterra em 1917, Clarke foi ao Sri Lanka pela primeira vez na década de 1950 para fazer mergulho, se apaixonou pelo país e se radicou nele.   Continuação...