Retratos voltam à moda e aumentam demanda por pintores nos EUA

segunda-feira, 15 de outubro de 2007 15:07 BRST
 

Por Belinda Goldsmith

NOVA YORK (Reuters) - Quando o artista Daniel Duffy assinou um contrato para pintar cinco retratos de autoridades norte-americanas em menos de dois meses, seus colegas de profissão acharam que ele tinha ficado louco.

A demanda por retratos feitos por pintores vem aumentando nos últimos anos, mas normalmente a obra leva entre um e seis meses -- por isso o prazo dado pelo Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano dos EUA (HUD) era tão incomum.

"Simplesmente larguei todos os meus outros trabalhos e sabia que ia trabalhar 18 horas por dia, sete dias por semana", disse Duffy à Reuters. Ele trabalha em Newtowon, Connecticut.

"Muitos artistas fugiram, com medo. Estou exausto, mas está sendo um prazer. Aprendi muito com essa experiência, e ela fez de mim um pintor mais eficiente."

Duffy usou fotos para pintar os retratos de cinco secretários do departamento -- o atual e quatro antecessores.

Cada vez mais artistas dedicam-se à pintura de retratos. Duffy cobra 25 mil dólares por um retrato de grandes dimensões. O valor total do contrato com o Departamento da Habitação foi de 100 mil dólares.

Esse tipo de retrato saiu de moda em meados do século 20, conforme aumentou o interesse na arte abstrata e não-figurativa, mas, segundo organizações como a Sociedade Real de Pintores de Retrato, da Grã-Bretanha, o gênero está renascendo.

Famílias, empresas e instituições estão encomendando retratos, alimentando um mercado de pintores e o trabalho desse tipo por parte de artistas contemporâneos como David Hockney e Lucian Freud.

O pintor deve encontrar os secretários em Washington no dia 27 de outubro para apresentar os retratos. "Estou muito feliz com o resultado. Estou ansioso para encontrar os secretários e ver a reação deles."

Duffy não sabe por que o prazo era tão apertado, mas acredita ser devido à inauguração de um auditório.