Diana suspeitava de grampo de Al Fayed no iate, diz irmã

segunda-feira, 28 de janeiro de 2008 17:46 BRST
 

Por Paul Majendie

LONDRES (Reuters) - A princesa Diana achou que Mohamed al Fayed a espionava em seu derradeiro passeio no iate dele, disse a irmã dela na segunda-feira no inquérito que apura as causas da morte de Diana.

Diana e Dodi al Fayed, filho de Mohamed, morreram num acidente automobilístico num túnel de Paris em agosto de 1997, quando eram perseguidos por paparazzi ansiosos para conseguir clicar a mulher mais fotografada do mundo.

Dias apenas antes de morrer, Diana telefonou a sua irmã, Sarah, do iate Jonikal, no qual passava férias no Mediterrâneo.

Indagada pelo advogado Ian Burnett se Diana falara da possibilidade de ser grampeada, Sarah McCorquodale respondeu: "Ela achava que o iate estava sendo grampeado por Al Fayed, pai".

Mohamed al Fayed alega que Dodi e Diana foram mortos pelos serviços de segurança britânicos sob ordens do príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth.

Ele acredita que a razão seria que a família real não queria que a mãe do futuro rei tivesse um filho de Dodi. Al Fayed alega ainda que o corpo de Diana foi embalsamado para encobrir os indícios de que ela estaria grávida.

Mas McCorquodale disse ter tido a impressão de que o romance veranil de Diana com Dodi estava chegando ao fim.

"Acho que o relacionamento não iria durar muito mais", disse ela ao tribunal, acrescentando que não foi mencionada a possibilidade de Diana estar grávida ou de um possível noivado com Dodi.   Continuação...