Tribunal reativa ação legal envolvendo seguro da banda The Doors

terça-feira, 25 de março de 2008 18:21 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - As divergências entre os membros sobreviventes da banda de rock dos anos 1960 The Doors são tão graves que uma ação judicial sobre uma apólice de seguro que cobre "danos publicitários" deve seguir adiante, decidiu na terça-feira um tribunal federal de apelações nos Estados Unidos.

A banda tentou continuar após a morte de seu vocalista, Jim Morrison, em 1971, mas acabou por se desfazer. Há alguns anos o baterista John Densmore iniciou uma briga judicial contra o guitarrista Robby Krieger e o tecladista Ray Manzarek porque fizeram turnê em que se apresentaram como "The Doors of the 21st Century". Um juiz acabou por ordenar que parassem de usar o nome.

De acordo com documentos do tribunal, o processo movido por Densmore custou a Manzarek e à Doors Touring Inc. mais de 3 milhões de dólares em custas judiciais. No meio da disputa, Manzarek acionou seu seguro.

O tecladista, que tocou refrões que ficaram famosos em sucessos como "Light My Fire", fez um seguro contra danos comerciais em 2002 e 2003 com a empresa St. Paul Fire and Marine Insurance Company.

A apólice inclui proteção contra danos de publicidade, ou seja, prejuízos decorrentes de calúnia e difamação, além de casos de infração de privacidade.

Manzarek informou a seguradora da ação movida por Densmore em 2003, mas a empresa se negou a pagar sua cobertura. O tecladista, que vive ao norte de San Francisco, abriu uma ação por quebra de contrato, e em 2006 um tribunal distrital indeferiu o processo.

Na terça-feira o 9o Tribunal de Apelações dos EUA anulou essa decisão, dizendo que o tribunal inferior deve, sim, rever a ação movida por Manzarek.