Documentário analisa transformações na cultura negra dos EUA

terça-feira, 26 de agosto de 2008 21:43 BRT
 

Por Christine Kearney

NOVA YORK (Reuters) - No momento em que os Estados Unidos têm a oportunidade de eleger seu primeiro presidente negro, a destacada escritora americana Toni Morrison diz que os estudantes universitários negros de hoje não estão tão focados sobre questões raciais quanto seus antecessores.

"Eles não se interessam pela divisão racial. Esse assunto os entedia", disse Morrison, professora da Universidade Princeton e primeira escritora negra a receber o Prêmio Nobel de Literatura. "Eles nem querem falar sobre isso."

Morrison e outros negros americanos destacados falam sobre cultura negra em um novo documentário da HBO que vai ao ar esta semana na TV americana, "The Black List Vol. 1", incluindo entrevistas com 23 americanos negros de sucesso em diferentes campos.

Transmitido na semana em que o senador Barack Obama está prestes a obter a indicação para ser candidato do Partido Democrata à presidência, o documentário ressalta o significado de ser negro nos EUA e como isso evoluiu desde o movimento dos direitos civis, dos anos 1950 e 1960, que lutou para abolir a discriminação racial.

"A candidatura de Obama trouxe a discussão mais aberta da questão racial desde o movimento dos direitos civis. Este é um momento maravilhoso", disse o fotógrafo Timothy Greenfield-Sanders, que dirigiu o filme.

Morrison, 77 anos, disse à Reuters que alguns afro-americanos mais velhos têm dificuldade em aceitar que os tempos mudaram desde o movimento dos direitos civis, enquanto o país chega mais perto da igualdade.

De acordo com ela, a geração mais velha "às vezes reluta em ver aquilo pelo qual lutou, uma sociedade não-racista, se concretizar, porque realmente quer que isso aconteça, mas tem dificuldade em abrir mão de sua luta".

Morrison e outros entrevistados no documentário, entre eles Colin Powell, disseram que ainda não há igualdade racial plena nos EUA. Powell cita o fato de pessoas terem questionado sua indicação a secretário de Estado dos EUA, devido a sua raça, e os problemas atuais de crianças negras para terem acesso a ensino de qualidade.   Continuação...