Magnata russo nega ter comprado a casa mais cara do mundo

terça-feira, 19 de agosto de 2008 16:52 BRT
 

MOSCOU (Reuters) - O bilionário russo Mikhail Prokhorov desmentiu na terça-feira os relatos da mídia francesa segundo os quais teria adquirido a residência mais cara do mundo, uma mansão francesa nas margens do Mediterrâneo.

Jornais publicaram na segunda-feira que Prokhorov, 43 anos, teria pago 496 milhões de euros por um imóvel no sul da França chamado Villa Leopolda, construído em 1902 para o rei belga Leopoldo 2o.

Mas o porta-voz de Prokhorov disse que o magnata não foi responsável pela compra e que seu chefe não fará negócios na França enquanto as autoridades francesas não se desculparem por tê-lo detido por pouco tempo no ano passado durante uma investigação sobre prostituição na estação de esqui de Courchevel.

"Enquanto o conflito com as autoridades francesas não for resolvido e enquanto ele não receber um pedido de desculpas do lado francês, nem a Onexim nem Prokhorov farão qualquer negócio na França", disse o porta-voz Sergei Chernitsyn, referindo-se à Onexim Holdings, a empresa de investimentos do magnata siderúrgico.

Prokhorov, o quinto homem mais rico da Rússia, fez sua fortuna de estimados 22 bilhões de dólares durante os anos 1990 na Rússia, quando empresários compraram partes de indústrias soviéticas a uma fração de seu valor real.

O magnata, que é solteiro, e Roman Abramovich, o terceiro homem mais rico da Rússia e proprietário do clube de futebol inglês Chelsea, fazem manchetes com frequência nos tablóides russos, que os vinculam a aquisições de bens exóticos e caros em todo o mundo.

Fontes ligadas a Abramovich também negam que ele tenha sido o responsável pela compra da Villa Leopolda, mas a mídia tanto francesa quanto russa insiste que a transação envolveu um bilionário russo.