Bacon e Koons impulsionam maior venda da história da Sotheby's

quinta-feira, 15 de novembro de 2007 12:11 BRST
 

Por Christopher Michaud

NOVA YORK (Reuters) - A Sotheby's recuperou-se na quarta-feira de um pregão pouco lucrativo com arte impressionista para atingir o maior valor já registrado na casa em um leilão de arte contemporânea e do pós-guerra, ao vender uma escultura de Jeff Koons por um preço recorde e um quadro de Francis Bacon por 46 milhões de dólares.

A tela "Segunda Versão de um Estudo para Corrida de Touros No. 1", de Bacon, excedeu a estimativa de 35 milhões de dólares.

O trabalho foi adquirido por um negociante de arte dos EUA cuja identidade não foi revelada. A tela foi a obra mais cara vendida nas duas semanas de leilões pouco lucrativos realizados pela Sotheby's e pela Christie's -- em pregões que venderam também obras impressionistas.

A peça de aço inoxidável "Coração Dependurado (Magenta/Ouro)", de Koon, ficou em 23,5 milhões dólares, superando o recorde anterior para obras do artista, atingido no dia anterior, com "Diamante (Azul)", vendido por 11,8 milhões de dólares.

As duas obras de Koons foram compradas pela Galeria Gagosian, uma das principais em arte contemporânea de Manhattan.

A peça de Koons vendida na quarta-feira, com 1.600 quilos, da série "Celebração", tornou-se a mais cara de um artista vivo já vendida em um leilão.

Anthony Grant, especialista sênior da Sotheby's para arte contemporânea, considerou o preço para a obra de Koons "o recorde mais importante das últimas duas semanas".

Um auto-retrato pintado por Bacon em 1969 alcançou o valor de 33 milhões de dólares, ou duas vezes mais que a estimativa prévia de 15 milhões de dólares.   Continuação...