São Clemente abre desfile no Rio com homenagem à família real

domingo, 3 de fevereiro de 2008 23:31 BRST
 

Por Fernanda Ezabella e Denise Luna

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma homenagem à chegada da corte portuguesa ao Brasil deu início aos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro na noite de domingo, com a travesti Rogéria liderando a São Clemente no papel de dona Maria, a Louca, mãe de dom João 6o.

Ela apareceu na comissão de frente vestida como rainha, de preto e amarelo, cores da escola, roubando a cena de dom João, que trouxe sua família ao Rio de Janeiro há 200 anos, fugindo de Napoleão.

"Foi a coisa mais difícil que eu já fiz na avenida, pela primeira vez eu saio puxando literalmente a escola", disse Rogéria à Reuters ao final do desfile.

"Fiz tudo para parecer uma louca, só não cocei o cabelo porque estou com breu e álcool, que era o laquê dos anos 1960."

Para Mauro Quintaes, um dos carnavalescos da escola, "a loucura nos favorece em tudo", disse ele, explicando a ênfase que dona Maria ganhou na avenida e até mesmo no refrão do samba. "Dá para fazer tudo na loucura", afirmou.

A São Clemente, agremiação de Botafogo, única da zona sul no Grupo Especial, abusou das fantasias históricas, às vezes um tanto pesadas, com muito pó de arroz no rosto dos foliões e peruca branca, como nos velhos tempos.

O peso das roupas, no entanto, acabou causando desmaios. Uma mulher de cerca de 60 anos, da ala das baianas, desmaiou ao final e teve que ter sua fantasia toda rasgada para poder respirar melhor e ser levada de maca ao posto médico.

Mas a sisudez das roupas não impediu a escola de continuar com sua famosa irreverência. Homens vestidos de frango assado, prato predileto de dom João, desfilaram em cima de um carro alegórico.   Continuação...

 
<p>Carro aleg&oacute;rico da S&atilde;o Clemente, que abriu a primeira noite de desfiles no Rio de Janeiro. Photo by Stringer</p>