Filmes políticos são vitoriosos no Festival de Berlim

domingo, 17 de fevereiro de 2008 11:14 BRT
 

Por Mike Collett-White

BERLIM (Reuters) - Os dois filmes mais abertamente políticos que participaram da competição do Festival de Cinema de Berlim este ano levaram os prêmios principais, surpreendendo alguns críticos que questionaram suas mensagens e seus métodos.

O ganhador do Urso de Ouro de melhor filme foi "Tropa de Elite", de José Padilha, retrato ultraviolento de um batalhão de policiais de elite brasileiros que recorrem à corrupção, tortura e métodos ainda piores na luta contra os chefes do tráfico nas favelas do Rio.

O segundo colocado, que recebeu o grande prêmio do júri, foi o documentarista premiado com o Oscar Errol Morris por "Standard Operating Procedure", um estudo do que deu errado no presídio de Abu Ghraib, no Iraque, onde soldados americanos cometerem abusos contra presos.

A escolha do vencedor dividiu os críticos.

Enquanto alguns elogiaram "Tropa de Elite", descrevendo-o como história contundente e ágil das concessões morais feitas pela polícia para sobreviver, outros disseram que o filme glorifica seus métodos frequentemente brutais. Um crítico o descreveu como "filme de recrutamento de criminosos fascistas".

Padilha defendeu seu filme, que já é grande sucesso de público no Brasil, dizendo que retrata os fatos como realmente são. Durante o festival, ele argumentou que a única maneira de quebrar o ciclo de criminalidade ligado às drogas é legalizá-las.

"O filme mostra como o Estado transforma a polícia ou em policiais corruptos ou em policiais que não querem fazer nada, ou em policiais violentos", disse Padilha na noite de sábado, após a premiação.

"Tropa de Elite" é o mais recente de uma série de filmes brasileiros aclamados que ressaltam o lado sombrio do Rio, após o indicado ao Oscar "Cidade de Deus" sobre gangues numa favela carioca.   Continuação...