Meirelles admite que "Ensaio" é sombrio demais para abrir Cannes

quarta-feira, 14 de maio de 2008 11:44 BRT
 

Por Mike Collett-White

CANNES (Reuters) - "Ensaio Sobre a Cegueira" levou visões apocalípticas da sociedade em colapso ao Festival de Cinema de Cannes nesta quarta-feira, e o diretor Fernando Meirelles admitiu que o cenário sombrio que ele fez da humanidade foi uma escolha estranha para abrir o glamouroso evento francês.

Foi uma inauguração séria dos 12 dias de filmes, entrevistas, iniciativas publicitárias e festas no resort da Riviera francesa, que se orgulha de promover o cinema alternativo tanto quanto de receber a realeza de Hollywood em seu tapete vermelho.

"Ensaio Sobre a Cegueira" é uma adaptação do romance homônimo do premiado com o Nobel José Saramago e conta a história de uma epidemia de cegueira que varre o mundo.

Julianne Moore faz a esposa de um médico que, como o público do filme, consegue enxergar a morte, a crueldade e a degradação que a cercam. Pouco a pouco, ela se conscientiza da responsabilidade que sua posição singular lhe impõe.

"Nós nos achamos tão fortes, sofisticados e sólidos", disse Meirelles a jornalistas depois da exibição do filme para a imprensa. "Mas então uma coisa dá errado e tudo desaba."

"Patinamos sobre gelo fino. Qualquer coisa pode acontecer e acontece", continuou o diretor, que ganhou fama mundial com "Cidade de Deus". A estréia oficial do filme será esta noite.

Meirelles e o roteirista Don McKellar disseram que se sentiram inspirados pelo fato de o romance de Saramago aparentemente refletir os desastres naturais da vida real, as doenças e nossos temores recentes com segurança alimentar.

ESCOLHA ESTRANHA PARA ABRIR O FESTIVAL   Continuação...

 
<p>O diretor brasileiro Fernando Meirelles em coletiva de imprensa em Cannes, sobre o filme 'Ensaio sobre a cegueira' , em 14 de maio de 2008  REUTERS. Photo by Jean-Paul Pelissier</p>