Papa estende a mão à China em concerto histórico no Vaticano

quarta-feira, 7 de maio de 2008 15:27 BRT
 

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Bento 16 fez um gesto de aproximação em relação à China na quarta-feira, durante um histórico concerto realizado por uma orquestra daquele país no Vaticano, o que, segundo espera a Igreja Católica, melhorará as relações distantes mantidas pelos dois há décadas.

A Orquestra Filarmônica da China apresentou o "Réquiem" de Mozart e músicas do folclore chinês ao lado do Coro da Ópera de Xangai, em um salão lotado da Santa Sé.

Bento 16, nascido na Alemanha, parecia feliz ao ver a execução de uma música religiosa européia por uma orquestra de um Estado oficialmente ateu e que já ridicularizou o papado em outras oportunidades.

No pronunciamento que realizou ao final da primeira parte do concerto, o líder católico não poupou elogios à população chinesa e alimentou a esperança de que a música pudesse ter sucesso onde a diplomacia havia fracassado.

"A música e a arte em geral podem funcionar como um instrumento privilegiado para a aproximação e o conhecimento e estima recíprocos entre diferentes populações e culturas", afirmou o papa, que também proferiu palavras de agradecimento em chinês.

Alguns diplomatas afirmam que os resultados de longo prazo desse concerto de feitio inédito poderiam ser semelhantes à diplomacia do "pingue-pongue" realizada na década de 1970, quando jogos entre equipes esportivas levaram ao estabelecimento de relações entre os governos norte-americano e chinês.

Bento 16 fez da melhoria das relações com a China uma prioridade de seu papado. Em junho, o líder católico divulgou uma carta aberta dizendo que tentava restabelecer relações diplomáticas plenas com a China, rompidas dois anos depois da subida ao poder dos comunistas, em 1949.

Na China de hoje, os católicos dividem-se entre os que pertencem a uma Igreja referendada pelo Estado e uma Igreja ilegal cujos membros juram lealdade ao Vaticano.   Continuação...

 
<p>O papa Bento XVI durante concerto da Orquestra Filarm&ocirc;nica Chinesa, no Vaticano, dia 7 de maio. O papa fez um gesto de aproxima&ccedil;&atilde;o em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; China na quarta-feira, durante um hist&oacute;rico concerto realizado por uma orquestra daquele pa&iacute;s no Vaticano, o que, segundo espera a Igreja Cat&oacute;lica, melhorar&aacute; as rela&ccedil;&otilde;es distantes mantidas pelos dois h&aacute; d&eacute;cadas. Photo by Dario Pignatelli</p>