23 de Janeiro de 2008 / às 15:56 / 10 anos atrás

Sobrevivente de acidente que matou Diana nega acobertamento

Por Paul Majendie

LONDRES (Reuters) - O ex-segurança Trevor Rees, o único sobrevivente da batida que matou a princesa Diana, negou na quarta-feira que faça parte de uma operação de acobertamento de assassinato.

Ainda com cicatrizes do acidente, com uma expressão calma, ele disse: "Não participo de nenhuma conspiração para esconder a verdade".

O carro em que ele ia junto com Diana e o namorado dela, Dodi al-Fayed, dirigido pelo motorista Henri Paul, chocou-se com uma pilastra num túnel de Paris em agosto de 1997 e todos os ocupantes morreram, exceto o então guarda-costas.

O advogado Ian Burnett, lembrando das acusações feitas pelo pai de Dodi, o magnata Mohamed al-Fayed, disse a Rees que ele é acusado de conspirar para "suprimir a verdade" de que os ocupantes do carro tinham sido mortos por serviços de segurança britânicos.

"Tudo que sempre fiz foi só dizer a verdade do modo como a vejo", afirmou Rees no inquérito judicial que investiga as mortes de Diana e Dodi.

Mohamed al-Fayed alega que o filho e Diana foram mortos por agentes britânicos por ordem do príncipe Philip, marido da rainha Elizabeth e ex-sogro de Diana.

Fayed acredita que o assassinato foi planejado porque a família real não queria que a mãe do futuro rei tivesse um filho com outro homem. Para ele, o corpo de Diana foi embalsamado para esconder o fato de que ela estava grávida.

Rees contou ao tribunal que sua última lembrança é de estar saindo pela porta dos fundos do hotel Ritz, que pertence à família de Dodi, antes da batida.

Desde então, ele teve dois flashes de lembranças --um de fotógrafos numa moto se aproximando da lateral do carro e outro de uma voz de mulher, supostamente Diana, depois do choque, dizendo o nome "Dodi".

"Essas lembranças são vagas e às vezes até eu duvido delas", advertiu ele. O ex-guarda-costas disse ao tribunal ter manifestado dúvidas quanto ao plano de Dodi, de sair do hotel pelos fundos, sem segurança, para tentar enganar os paparazzi que lotavam a frente do estabelecimento.

"A decisão de sair sem segurança teria sido de Dodi. Minha decisão, no entanto, foi de ir com o casal", disse ele sobre a medida que quase lhe custou a vida.

Rees negou as afirmações de que Dodi e Diana haviam escolhido um anel de noivado em Monte Carlo na semana anterior à morte deles. Questionado se aquilo tinha acontecido, ele disse que não.

O ex-segurança passou o resto da manhã revendo imagens da CCTV daquela noite no Ritz. O advogado Ian Bunett torcia --em vão --que isso pudesse reavivar a memória da testemunha.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below