John Cusack faz sátira da guerra em "War, Inc."

sexta-feira, 2 de maio de 2008 16:14 BRT
 

Por Michelle Nichols

NOVA YORK (Reuters) - John Cusack se sente ultrajado com a guerra do Iraque e, por isso, o ator norte-americano canalizou sua revolta para uma sátira política feita com orçamento pequeno e que traz um coro de mulheres amputadas e seminuas. A intenção expressa foi chocar.

"War, Inc.", que questiona o poder político que detêm as corporações globais, é ambientado no Turaquistão, um país fictício ocupado por uma empresa privada norte-americana chamada Tamerlane e comandado por um ex-vice-presidente dos EUA.

Cusack, inspirado pela ira em relação à guerra, ajudou a escrever o roteiro e protagoniza o filme, ao lado de Ben Kingsley, Marisa Tomei e Hilary Duff.

O longa fez sua estréia esta semana no Festival de Cinema Tribeca, em Nova York, ao lado de documentários mais sérios sobre o Iraque e outros conflitos.

"Acho que o filme precisa ser ofensivo", disse Cusack à Reuters. "Estou chocado com as reações positivas que temos recebido." "War, Inc." chegará aos cinemas de Nova York e Los Angeles em 23 de maio.

"Às vezes filmes sérios e sombrios, mesmo sendo ótimos e bem intencionados, não deixam você sentir-se ultrajado, porque você fica deprimido", disse ele. "Com este filme você reage pensando 'vamos fazer alguma coisa subversiva!"'.

No filme, Cusack é um homem contratado pela Tamerlane para assassinar o ministro do Petróleo de um país do Oriente Médio que pretende construir um oleoduto passando pelo Turaquistão, o que frustraria o plano da empresa de ser proprietária única do país.

"O filme foi uma reação à guerra e à insanidade que foi usar os ataques de 11 de setembro para lançar uma tentativa de grilagem imperialista no Oriente Médio", disse Cusack.   Continuação...