ESTREIA-"Amor Sem Fim" é remake insosso da sessão da tarde dos anos 1980

quarta-feira, 11 de junho de 2014 17:31 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Será que o mundo precisa mesmo de um remake de “Amor Sem Fim”? A julgar pela reação do autor do romance original – publicado em 1979, e adaptado para o cinema em 1981 – a resposta é um sonoro não. O escritor Scott Spencer renegou o filme numa mensagem enviada ao “The Hollywood Reporter”. Pode parecer zelo de criador – mas não é. Se a primeira versão já não era grande coisa, esta nova simplesmente não se justifica. Até porque o público está muito mais interessado em “A Culpa É das Estrelas”, em cartaz no país, que também aborda o eterno tema da paixão entre dois adolescentes.

A versão dos anos 1980, dirigida por Franco Zeffirelli, que tentava repetir o sucesso de seu “Romeu e Julieta”, trazia uma jovem Brooke Shields (recém-saida do polêmico “Pretty Baby” e o famoso “A Lagoa Azul”) e um desconhecido Tom Cruise (que era mero coadjuvante). O filme ficou mais famoso por sua música pegajosa (interpretada por Diana Ross e Lionel Richie) e as inúmeras reprises na TV aberta no Brasil.

“Amor Sem Fim” retrata a paixão (supostamente) doentia entre Jade Butterfield (Gabriella Wilde) e David Elliot (Alex Pettyfer). Dirigido por Shana Feste (“Em busca de uma nova chance”), o longa é tão arrumadinho, tão asséptico, que o romance entre os protagonistas beira o banal – a ponto de o casal de adolescentes praticamente sumir, e o filme ser dominado pelos adultos.

Na primeira cena, vemos Jade e David formando-se no colegial – no qual ela passou o tempo todo com o nariz enfiado nos livros e sem tempo para conhecer seus colegas, nem mesmo David, que é loucamente apaixonado por ela, embora nunca tenha se dado ao trabalho de demonstrar. Apesar disso, ele fará todos os esforços para chamar a atenção da moça.

Isso não agrada ao pai da menina, Hugh (Bruce Greenwood), que ainda sofre com a perda de um filho. Ele também não aprova que a filha se envolva com David porque o pai do rapaz tem uma oficina mecânica. Essa questão, nos dias de hoje, é algo tão fora de propósito que o filme começa a ruir por aí. Apenas a mãe de Jade, Anne (Joely Richardson), que é divorciada do pai e possui um espírito mais livre, parece perceber o quanto David faz a menina feliz e, por isso, fica do lado dela.

Nem por isso Hugh cede e, assim, o filme encontra nele e em seu intérprete – muito mais experiente e capaz de extrair algo de um personagem tão caricato – seus pontos mais interessantes, muito mais do que o romance dos jovenzinhos. Cujos intérpretes, aliás, bem longe da adolescência, mais parecem aquilo que realmente são: adultos passando-se por adolescentes.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb