ESTREIA-Sequência de “Como Treinar seu Dragão” amadurece protagonistas

quarta-feira, 18 de junho de 2014 16:42 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Com o estrondoso sucesso da animação “Como Treinar ser Dragão”, em 2010, o diretor Dean DeBlois (que também havia assinado “Lilo & Stitch”) não apenas conseguiu garantir uma sequência, mas transformar seu projeto em uma trilogia. Baseado nos livros juvenis de Cressida Cowell, ele poderia então contar a história do herói de forma mais completa, linha em que esta continuação se estrutura.

Cinco anos após as aventuras narradas no primeiro filme, o franzino Soluço e seu dragão de estimação, Banguela, trouxeram harmonia para seu vilarejo, na ilha de Berk. Suas populações de humanos e dragões se dão tão bem que o líder local, Stoico – O Imenso, decide colocar o rapaz como seu sucessor.

O problema é que Soluço não se dá bem com a ideia de autoridade, pensando em si próprio como um espírito livre, e prefere passar seus dias pesquisando a geografia regional. Em suas incursões pela costa, acompanhado por Banguela, o herói se depara com dois conflitos importantes.

O primeiro é a zelosa protetora de dragões, Walka (dublada por Cate Blanchett na versão original), sua mãe até então dada como morta. Como uma guerreira, protege milhares de bichanos em uma espécie de reserva natural do grande inimigo Dragon (Djimon Hounsou), o segundo problema de Soluço.

Encantador de dragões, o vilão os captura para formar um Exército invencível. Ele já fez parte até mesmo do passado de Stoico, quando ameaçou e matou com seus poderes quase todos líderes vikings que passaram por seu caminho.

Como no primeiro filme, o herói deverá encontrar dentro de si a força para ser líder e transformar seu entorno, caótico com a chegada de Dragon. Para isso contará com a ajuda não apenas dos pais, mas também de sua namorada Astrid e os gêmeos engraçados Cabeçaquente e Cabeçadura.

Agora com 20 anos, Soluço segue em sua jornada para ser um grande viking, que acabará em 2016, no terceiro episódio desta franquia. Bem estruturada, com visual caprichado e formato 3D bem aproveitado -em especial nas cenas de voo dos dragões-, a produção mantém a mesma qualidade que tornou seu primeiro exemplar um sucesso.

Não deixa de ser importante que os problemas do herói tornam-se mais complexos com a idade. Chefiar seu povo, casar, armar um exército são alguns dos desafios desta nova fase. Dean DeBlois amadurece seus personagens, mas consegue, ainda assim, fazer um dinâmico filme juvenil.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb