CORREÇÃO-Canal a cabo Starz ganha terreno nos EUA com série "Outlander"

segunda-feira, 8 de setembro de 2014 16:14 BRT
 

(Corrige audiência total de 3,7 milhões para 5 milhões e esclarece dados de audiência televisiva no 6º parágrafo)

Por Piya Sinha-Roy

LOS ANGELES (Reuters) - Um drama de época nas montanhas da Escócia, com uma protagonista atrevida envolvida em um romance mal fadado e viagens no tempo, pode ser um divisor de águas para o canal de televisão a cabo norte-americano Starz, que começa a rivalizar com os concorrentes mais bem estabelecidos.

No momento em que canais pagos como FX, HBO e Showtime, e o canal de Internet Netflix, aumentam suas produções originais para atrair os telespectadores, o Starz começa a ganhar terreno com a série "Outlander”, verdadeira inovação do gênero.

História de amor baseada nos livros da escritora Diana Gabaldon, "Outlander" é o principal chamariz da audiência feminina do Starz, e parte de sua estratégia para desenvolver públicos segmentados.

O romance acompanha Claire, uma enfermeira casada na Grã-Bretanha dos anos 1940 que é transportada para a Escócia de 1700 durante uma segunda lua de mel nas terras altas do país.

“Nossa meta não é tentar oferecer de tudo para todos, mas um punhado de coisas que são realmente importantes para os grupos demográficos que temos”, disse o executivo-chefe do canal, Chris Albrecht.

O Starz disponibilizou "Outlander" em suas plataformas on-demand uma semana antes da estreia oficial, no dia 9 de agosto, e atraiu 5 milhões de espectadores, a maior audiência multi-plataformas da história do canal. A série teve uma média de quase três milhões de espectadores por episódio desde então no canal principal Startz a cada fim de semana desde então, e já tem uma segunda temporada confirmada.

O interesse por dramas de época vem sendo alimentado por séries vencedoras de prêmios Emmy, o Oscar da TV norte-americana, como "Game of Thrones", da HBO, e "Downton Abbey”, da PBS Masterpiece.   Continuação...

 
Chris Albrecht, executivo-chefe do canal Starz, em foto de arquivo. 15/07/2014 REUTERS/Mario Anzuoni