Retirada acusação de tentativa de homicídio contra baterista do AC/DC

sexta-feira, 7 de novembro de 2014 12:43 BRST
 

WELLINGTON (Reuters) - A promotoria da Nova Zelândia retirou nesta sexta-feira a acusação de tentativa de homicídio contra o baterista do AC/DC, Phil Rudd, mas ele ainda enfrentará um processo na Justiça por ter ameaçado duas pessoas de morte.

Um dia depois de Rudd ser preso e acusado de tentativa de homicídio, ameaça de morte e posse de entorpecentes, um promotor público da Nova Zelândia disse que a acusação mais grave tinha sido retirada por falta de provas.

"Não havia provas suficientes para prosseguir com a acusação de tentativa de homicídio", disse o promotor Greg Hollister-Jones em comunicado nesta sexta-feira.

O advogado de Rudd disse que a polícia não consultou a promotoria antes de fazer a acusação de tentativa de homicídio de duas pessoas em Tauranga, cidade na Ilha do Norte da Nova Zelândia.

"A acusação alegando tentativa de homicídio nunca deveria ter sido feita", disse Paul Mabey.

Mabey disse que Rudd sofreu dano desnecessário e prejudicial "incalculável" devido à prisão e ao relato de uma acusação grave que nunca foi justificada.

Ele disse que Rudd, de 60 anos e que está em liberdade após pagamento de fiança, vai se defender da acusação de ameaça de morte, que tem uma pena máxima de 7 anos de prisão. Mabey disse que as acusações de porte de drogas representam delitos pequenos.

O australiano Rudd vive na cidade litorânea, a cerca de 200 km a sudeste da maior cidade da Nova Zelândia, Auckland, desde que foi demitido da banda em 1983. Ele voltou ao AC/DC em 1994, mas permaneceu na Nova Zelândia, onde é dono de um restaurante.

O músico foi condenado e multado por posse de maconha em 2010.   Continuação...

 
Show da banda de rock AC/DC Fornebu, perto de Oslo, em 2009. 18/02/2009 REUTERS/Sara Johannessen/Scanpix Norway