Hóstias baixo glúten tornam-se mais comuns em igrejas dos Estados Unidos

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014 16:24 BRST
 

Por Colleen Jenkins

(Reuters) - Rachel Rieger se viu diagnosticada com doença celíaca, que a levaria a eliminar o glúten de sua dieta e interromper o consumo da hóstia à base de trigo da comunhão, que é algo fundamental em sua fé católica.

"Para mim, foi difícil lidar com isso", disse Rieger, de 23 anos.

Ela ficou emocionada quando seu padre em Cleveland, no estado de Ohio, disse-lhe que a igreja permitia uma hóstia de baixo glúten, geralmente considerada segura para pessoas que sofrem danos no seu intestino delgado caso comam a proteína do glúten, presente no trigo, cevada e centeio.

O padre iria manter uma das hóstias baixo glúten para quando Rieger recebesse a comunhão.

Baixo glúten e opções de comunhão sem glúten estão se tornando mais disponíveis em igrejas nos Estados Unidos, com líderes religiosos respondendo ao aumento da prevalência de pessoas com intolerância ao glúten e com fabricantes criando produtos que atendam essas necessidades.

Os pesquisadores dizem que a doença celíaca é agora quatro vezes mais comum do que era há 60 anos, embora aproximadamente uma em cada 100 que a têm não são diagnosticados.

A desordem auto-imune pode causar dor de estômago grave, perda de peso e fadiga.

A irmã Lynn D'Souza passou vários anos ajudando a criar uma receita para hóstia de baixo glúten feitas pelas Irmãs Beneditinas da Adoração Perpétua em Clyde, Missouri, depois de ouvir de fiéis que não podem receber a comunhão, devido à sensibilidade ao trigo.

As vendas aumentaram desde que as freiras começaram a vender suas hóstia há quase 11 anos. Elas vão vender o equivalente a cerca 150 mil dólares em hóstias este ano, um aumento de cinco vezes frente aos 30 dólares em vendas em 2007, disse a irmã.

"Nós continuamos a obter novos clientes a cada semana, se não todos os dias", afirmou.