Casas de leilão de Londres preparam venda de obras de Monet e surrealistas

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015 12:49 BRST
 

Por Michael Roddy

LONDRES (Reuters) - A cena londrina de leilões está novamente em polvorosa, com a Sotheby’s ofertando uma vista de Veneza pintada por Monet pelo preço estimado entre 20 milhões e 30 milhões de libras (30 milhões a 45 milhões de dólares), enquanto a Christie’s espera que sua principal noite de vendas de arte surreal, modernista e impressionista arrecade 134 milhões de libras.

As duas grandes casas de leilão preparam mais uma nova grande rodada de vendas para fevereiro, visando um mercado de arte que tem atraído compradores da Ásia, Rússia e Américas, mas ainda consegue fechar grandes negócios com clientes tradicionais da Europa e Estados Unidos.

A Sotheby’s aproveita o amplo interesse global por sua oferta da tela “Le Grand Canal”, pintada em 1908 por Monet, que ficou emprestada à The National Gallery, em Londres,  de 2006 a 2014.

“O mercado para obras de Claude Monet atingiu agora um pico de força de todos os tempos, com interessados surgindo de quatro vezes mais países do que há uma década”, disse Helena Newman, co-diretora mundial de arte impressionista e moderna, em comunicado.

“Dada a raridade da pintura e sua qualidade excepcional, e o forte preço de 19,7 milhões de libras alcançado quando vendemos a vista de Veneza ‘Le Palais Contarini’, de Monet, em 2013, antecipamos uma entusiástica procura global antes da venda em fevereiro”, acrescentou.

A Christie’s, que antes anunciou para fevereiro a venda do panorama do Mediterrâneo “Vue sur L’Estaque et Le Chateau D’If”, de Cézanne, por um preço pré-venda estimado entre 8 milhões e 12 milhões de libras, disse na quinta-feira que também vai leiloar uma grande leva de arte surrealista.

Os 36 lotes incluem “L’oiseau au plumage deploye vole vers l’arbre argente”, pintado em 1953 por Joan Miró, estimado entre 7 milhões e 9 milhões de libras. Também serão colocados à venda trabalhos de Magritte, Picabia, Arp, Ernst, Tanguy e Dominguez, informou a Christhie’s.

 
"Le Grand Canal", de Claude Monet, em exposição pela  Sotheby's em Hong Kong. 9/1/2015    REUTERS/Bobby Yip