Ópera “Orfeu” estreia em teatro inglês que teve Jimi Hendrix e Jim Morrison

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 17:53 BRST
 

LONDRES (Reuters) - Uma das primeiras óperas do mundo está chegando ao teatro de Londres que Jimi Hendrix e Jim Morrison tornaram famoso. A ópera de Monteverdi “Orfeu”, de 400 anos, abre nesta terça-feira no Roundhouse.

O diretor teatral Michael Boyd, veterano de montagens de Shakespeare, dirige a sua primeira ópera e acredita que o teatro, um antigo galpão ferroviário, se encaixa de forma especial com o trabalho do século 17, no qual Orfeu desce até o submundo para tentar resgatar a mulher Eurídice.

"Eu certamente fiquei nervoso em trazer uma ópera para o espaço que teve Jimi Hendrix e Jim Morrison, mas não pude resistir ao desafio”, disse Boyd durante um intervalo dos ensaios.

O palco do teatro fica no centro da plateia, que tem lugar para cerca de 1.500 pessoas. Os ingressos para todas as oito performances estão praticamente esgotados, disse o diretor. A configuração do teatro ajuda a quebrar a barreira entre público e artistas, segundo Boyd.

"Há uma espécie de aspecto cavernoso no espaço que combina muito bem com o submundo”, afirmou ele. O diretor acrescentou que os cantores terão de ser amplificados, mas de forma bem sutil, que quase não será notada.

O cenógrafo Tom Piper, que trabalha com Boyd desde os anos 1990, teve de ser particularmente criativo.

Praticamente não há acessórios, com exceção da longa passarela que Orfeu usa para caminhar das extremidades do teatro até o Inferno, que fica no fundo do palco.

Na jornada de Orfeu, dançarinas adolescentes recrutadas nas escolas locais farão uma performance ao redor do palco para representar as ondas de Styx, o rio entre o mundo dos vivos e o submundo.

Duas meninas são suspensas até os ombros de outros dançarinos, e cada uma delas estende uma perna em direção a outra, tocando os pés, para representar o portão do Inferno.

"Acho que as pessoas ficarão bem interessadas em ver como nós contamos a história no espaço”, disse o cantor James Platt, parte do elenco.

"‘Orfeo’ era algo muito novo para o seu tempo, muito diferente, e acho que você ainda pode ouvir isso agora. A orquestração é muito vigorosa, os efeitos são muito vigorosos, tanto para o tempo de Monteverdi quanto para agora.”