Mulher apresenta à polícia de Los Angeles acusações de abuso sexual contra Bill Cosby

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015 10:20 BRST
 

Por Eric Kelsey

LOS ANGELES (Reuters) - Uma mulher que acusa Bill Cosby de abusar sexualmente dela em 2008 na Mansão da Playboy reuniu-se com a polícia de Los Angeles por duas horas na quarta-feira, informou seu advogado, no que poderia possivelmente resultar no primeiro processo criminal contra o comediante.

A alegação de Chloe Goins de que Cosby a drogou e agrediu, quando ela tinha 18 anos de idade, é uma entre mais de uma dezena de acusações semelhantes contra o comediante de 77 anos, que  sepultaram suas chances de um retorno à TV e mancharam sua reputação.

O advogado Spencer Kuvin, que está representando Chloe Goins, de 24 anos, afirmou que a polícia lhe disse que vai investigar as acusações.

"A senhora Goins e eu estamos aqui por duas razões: justiça e responsabilidade", disse Kuvin, acrescentando que sua cliente poderá se tornar a primeira das acusadoras de Cosby cujas alegações se enquadram na legislação da Califórnia.

A porta-voz do Departamento de Polícia de Los Angeles, Rosario Herrera, disse que a polícia não comenta casos de violência sexual.

Nos últimos três meses mais de uma dezenas de mulheres entraram com ações na Justiça alegando que Cosby tinha abusado sexualmente delas. Muitas dessas acusações se referem a décadas atrás e, por isso, estão fora do prazo legal para casos criminais ou civis.

Cosby, mais conhecido por seus personagens no programa "Cosby Show", líder de audiência, nunca foi indiciado por nenhuma dessas acusações de abuso sexual. Em 2005 houve um processo civil por má conduta sexual, mas ele fez um acordo para encerrá-lo.

O advogado de Cosby, Marty Singer, disse que as alegações “não têm credibilidade” e são "difamatórias". O cantor não respondeu a um pedido de comentário por e-mail.

A NBC e a Netflix suspenderam projetos com Cosby depois que as acusações começaram em novembro. Uma excursão do comediante teve vários show cancelados.

 
Mulher protesta contra Bill Cosby em Kitchener. 7/1/2015 REUTERS/Mark Blinch