ESTREIA-"Amor, Plástico e Barulho" retrata bastidores da cena musical popular do Recife

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015 16:27 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Premiada diretora de arte e curta-metragista, a partir de sua promissora estreia, “Super Barroco” (curta lançado na Quinzena dos Realizadores de Cannes em 2009), a pernambucana Renata Pinheiro assina com segurança sua estreia em longas de ficção com "Amor, Plástico e Barulho".

O filme estreia em sete capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Recife, Porto Alegre, Maceió e Belo Horizonte.

A trepidante cena da música brega do Recife é o ambiente em que habitam suas personagens, as cantoras Jaqueline (Maeve Jinkings) e Shelly (Nash Laila). Jaqueline é a estrela, consagrada num circuito de shows que não escolhe palco, dividindo-se entre bares, clubes, associações, praticamente qualquer lugar.

Uma glória feita de plástico, de seus adornos baratos e de muitas músicas descrevendo as dores de amor que não saem da boca do povo – como as conhecidas “Faço de mim o que quero” e “Chupa que é de uva”.

Shelly é uma das dançarinas da trupe de Jaqueline a quem o acaso dá uma oportunidade, a partir da briga da outra com seu namorado, Allan (Samuel Vieira).

Explorando esta rivalidade, o filme, roteirizado por Renata e Sergio Oliveira, constrói uma narrativa que se estrutura sensorialmente, na pele das cantoras, na sensualidade explícita que exala de suas apresentações – uma situação que fornece uma oportunidade esplêndida para confirmar Maeve Jinkings (“O Som ao Redor”) como a atual musa do cinema brasileiro, tão bela e expressiva como excelente intérprete.

Maeve, aliás, foi uma das premiadas no Festival de Brasília 2013, como melhor atriz, ao lado de Laila, melhor coadjuvante feminina, e melhor direção de arte para Dani Vilela.

Recusando cacoetes e muletas narrativas, “Amor, Plástico e Barulho” confia mais na imagem, na elaboração de seus climas, seguindo situações que vão se desenrolando de moto próprio, coladas a uma naturalidade quase documental.

A história se desloca mais no comportamento dos personagens do que propriamente em suas falas, embalando trajetórias anônimas, pontuadas por sonhos e desilusões, mas também uma invencível esperança. Uma esperança autêntica de recomeço, para a qual não vale o falso brilho do sucesso efêmero.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Nash Laila e Maeve Jinkings em cena do filme "Amor, Plástico e Barulho". REUTERS/Divulgação