ESTREIA-Documentário sobre Cássia Eller é cinebiografia sem filtros

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015 15:46 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Destaque na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, no ano passado, quando foi eleito pelo público melhor documentário brasileiro, “Cássia Eller” é uma homenagem à cantora, falecida em 2001 no auge de sua carreira.

Um trabalho de quatro anos do documentarista Paulo Henrique Fontenelle, do premiado “Loki - Arnaldo Baptista”, que, com o apoio da família, fez uma obra sem filtros sobre a artista. O filme estreia em todo o país em cerca de 70 cópias.

Nas múltiplas imagens de arquivo e nas vozes dos entrevistados (amigos, produtores, críticos, amores e o filho, Francisco Eller, o Chicão), o diretor vai a fundo na persona, esmiuçando suas facetas e, nelas, as contradições. Se no palco mostrava um temperamento explosivo, mantinha na intimidade uma docilidade de encanto.

Fontenelle faz um trabalho ágil com o material que tem nas mãos. Mostra as transformações de Cássia, de cantora de teatro à roqueira punk, com igual atenção aos detalhes, jogando o espectador no desconhecido da intérprete. E o faz linearmente, em uma cinebiografia musical.

Como teve o apoio de Maria Eugênia Vieira Martins, companheira da cantora e guardiã de seu trabalho e do filho Chicão, o diretor também fala abertamente de temas mais espinhosos. Para além do uso de drogas, revela quem é o pai de Chicão (um segredo de Cássia), dos casos extraconjugais, do sensacionalismo desinformado da imprensa sobre sua morte (morreu de infarto, mas publicou-se overdose) e da briga judicial pela guarda do filho que Maria Eugênia travou com o pai da cantora.

Mesmo com os dramas incorporados ao roteiro, fica-se, no fim, com a irreverência e genialidade desta intérprete, icônica na música brasileira. “A Cássia Eller faz um pouco parte da trilha sonora do Brasil e das nossas vidas também”, acredita Fontenelle.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb