Festival de Berlim une estreia de “50 Tons de Cinza” a filmes de arte

terça-feira, 3 de fevereiro de 2015 12:08 BRST
 

Por Michael Roddy

REUTERS (Reuters) - Dois filmes de grande apelo comercial irão estrear mundialmente na abertura do 65º Festival Internacional de Cinema de Berlim, na quinta-feira, mas nem “50 Tons de Cinza” nem “Cinderella”, o novo longa-metragem da Disney, irão competir pelo prêmio principal.

O Leão de Ouro do festival é mais voltado aos filmes de arte, que também estarão em destaque graças a diretores como Terrence Malick, Peter Greenaway, Wim Wenders e Pablo Larrain.

Ao todo, 23 filmes serão exibidos na mostra competitiva, dos quais 19 brigam pela maior honraria, que será concedida em 14 de fevereiro, informou o festival.

A escalação deste ano será “a mistura costumeira de anorexia, fanatismo religioso, abuso infantil e tortura”, disse o diretor da Berlinale, Dieter Kosslick – em tom debochado, mas só em parte.

“É isso que mostramos – e quando você olha o noticiário, vê que nossa programação está situada bem no centro do debate social e político de hoje”.

Nessa mesma veia, “El Club”, do chileno Larrain, trata de quatro padres caídos em desgraça que vivem em um refúgio e que custam a se adaptar à chegada de um quinto morador.

“Body”, do diretor polonês Malgorzata Szumowska, é a história de um investigador da polícia e pai solteiro que tem que equilibrar as exigências do trabalho e a criação de sua filha anoréxica.

Produções como estas provam a lealdade do festival às suas raízes, mas a adaptação cinematográfica do romance best-seller sobre sadomasoquismo ‘light’ e a presença de Cate Blanchett como madrasta de Cinderella no filme dirigido por Kenneth Branagh irão atrair atenção mundial.   Continuação...

 
Bilheteria do Festival de Cinema de Berlim. 02/02/2015 REUTERS/Fabrizio Bensch