Homem acusado de matar o "Sniper Americano" era esquizofrênico, diz psiquiatra

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015 08:17 BRST
 

AUSTIN, Texas (Reuters) - Um psiquiatra disse a um tribunal do Texas, na quinta-feira, que o homem acusado de matar o agente das forças especiais da Marinha dos Estados Unidos Chris Kyle sofria de esquizofrenia paranóica e mostrou sinais de psicose que não poderiam ser fingidos, de acordo com relatos da mídia.

Eddie Ray Routh, de 27 anos, foi acusado de matar Kyle, cuja autobiografia se transformou no filme de sucesso "Sniper Americano", e Chad Littlefield, amigo de Kyle, em um campo de tiro a cerca de 110 quilômetros de Fort Worth, em fevereiro de 2013.

Mitchell Dunn, psiquiatra forense que passou mais de seis horas entrevistando Routh e que foi chamado pela defesa, testemunhou que Routh acreditava que Kyle e Littlefield fossem matá-lo, relatou o jornal Dallas Morning direto da corte em Stephenville.

"Ele pensou que fosse morrer se não tomasse ações e matasse os dois primeiro", disse Dunn, de acordo com o jornal.

Routh também acreditava que dois de seus colegas de trabalho eram canibais e iriam feri-lo, de acordo com Dunn.

Eddie Ray Routh, que serviu com os fuzileiros navais dos EUA no Iraque e Haiti, foi internado em hospitais de veteranos diversas vezes e diagnosticado como psicótico, disseram seus advogados à corte. A defesa busca conseguir que ele seja inocentado por insanidade.

Os promotores disseram que Routh sabia o que estava fazendo quando atirou varias vezes em Kyle e Littlefield, até matá-los, e fugiu do local na caminhonete de Kyle. Eles esperam conseguir a sentença de prisão perpétua sem possibilidade de liberdade.

O julgamento trouxe mais atenção para Kyle, que é considerado um herói por muitos no Texas, seu Estado natal, e para o filme "Sniper Americano", que foi indicado para seis prêmios da Academia, incluindo melhor filme.

A defesa encerrou sua apresentação na quinta-feira, sem chamar Routh para depor. É esperado que os promotores chamem testemunhas nesta sexta-feira.

(Reportagem de Jon Herskovitz)

 
Eddie Ray Routh durante seu julgamento em Stephenville, no Texas. 19/02/2015 REUTERS/LM Otero/Pool