Neil Patrick Harris canta, dança e até aparece de cueca no palco do Oscar

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015 10:10 BRT
 

Por Steve Gorman

LOS ANGELES (Reuters) - Quer se ame ou se odeie Neil Patrick Harris, o fato é que no domingo à noite ele provou ser um dos anfitriões que mais deram duro na história do Oscar, ao cantar, dançar e até mesmo correr de cueca no palco do Dolby Theatre, em Hollywood.

Mas o talentoso ator de televisão e da Broadway, que alcançou fama como adolescente no seriado da TV "Tal Pai, Tal Filho", também teve de enfrentar um grande elefante na sala, ao abrir a cerimônia com uma piada rápida, mas afiada, que apontava a falta de diversidade na lista dos indicados ao Oscar este ano.

"Hoje à noite nós honramos os melhores e mais brancos, desculpem, mais brilhantes, de Hollywood", disse, impassível, provocando uma gargalhada que pareceu quebrar o habitual nervosismo prévio da cerimônia entre a realeza da indústria do cinema presente no auditório para a 87ª premiação do Oscar.

A piada de abertura foi uma referência às críticas que os jurados do Oscar enfrentaram este ano por não nomearem um único ator negro em nenhuma das categorias de interpretação pela primeira vez em muitos anos, incluindo David Oyelowo, aclamado pela crítica por sua atuação em “Selma”, drama sobre os direitos civis nos Estados Unidos.

Foi o primeiro de vários momentos politicamente carregados da noite, incluindo as observações de Patricia Arquette ao receber a estatueta de melhor atriz coadjuvante por seu papel como uma mãe solteira em "Boyhood".

"Para cada mulher que deu à luz a cada contribuinte e cidadão deste país, temos lutado pelos direitos de todo mundo", disse a atriz no palco. "É a nossa hora de ter igualdade salarial de uma vez por todas e igualdade de direitos para as mulheres nos Estados Unidos da América", acrescentou.

Ao receber o prêmio de melhor documentário, a diretora de "Citizenfour", Laura Poitras, chamou de herói o norte-americano Edward Snowden, que denunciou a espionagem da Agência de Segurança Nacional (NSA).

"Quando as decisões mais importantes, e que afetam todos nós, são adotadas em segredo, perdemos nossa capacidade de verificar os poderes que controlam", disse.   Continuação...

 
Neil Patrick Harris na cerimônia do Oscar. 22/02/2015 REUTERS/Mike Blake