Índia proíbe exibição de documentário sobre gangue de estupro coletivo

quarta-feira, 4 de março de 2015 09:44 BRT
 

Por Aditya Kalra

NOVA DÉLHI (Reuters) - Um documentário sobre o estupro coletivo que resultou na morte de uma mulher em Nova Délhi, em 2012, foi proibido na Índia por causa das preocupações do governo com os comentários depreciativos feitos por um dos estupradores e a violação das diretrizes definidas para os cineastas.

"India's Daughter" (Filha da Índia), de Leslee Udwin, contém conversas com Mukesh Singh e outros condenados pelo estupro e tortura de uma mulher de 23 anos em um ônibus em movimento em dezembro de 2012, crime que provocou protestos em todo país e forçou a Índia a endurecer as leis contra o estupro.

O ministro do Interior da Índia, Rajnath Singh, disse nesta quarta-feira que o documentário não irá ao ar na Índia e acusou seus produtores de violarem as "condições de permissão", por não terem apresentado a filmagem completa, não editada, aos funcionários da prisão.

"Percebeu-se que o documentário traz comentários do condenado que são altamente depreciativos e são uma afronta à dignidade das mulheres", afirmou Singh ao Parlamento.

"Como foi dada permissão para entrevistar um estuprador? É chocante. Vou pedir uma investigação disso."

Comentários liberados para a mídia nesta semana mostram que, no filme, Mukesh culpa a vítima pelo crime e por ter resistido ao estupro. Ele também diz que as mulheres são mais responsáveis ​​do que os homens pelos estupros.

Na noite de terça-feira, o ministro do Interior pediu à polícia de Délhi que obtivesse uma ordem judicial para proibir o lançamento do filme. A polícia disse que a proibição foi imposta porque os comentários de Mukesh poderiam criar um clima de "medo e tensão" que poderia alimentar a indignação da população.

 
Manifestação em homenagem a mulher vítima de estupro em Nova Délhi em dezembro de 2012. 16/12/2013 REUTERS/Adnan Abidi