Arqueólogos acham duas localidades em região de Honduras onde estaria a mítica “Cidade Branca”

quinta-feira, 5 de março de 2015 10:29 BRT
 

Por Gustavo Palencia

TEGUCIGALPA (Reuters) - Arqueólogos descobriram em Honduras duas localidades em uma região onde estaria situada a mítica “Cidade Branca”, na remota e quase inexplorada selva da Mosquitia, informou o Instituto de História e Antropologia de Honduras (Ihah).

Expedições buscam há quase um século a chamada “Cidade Branca”, que tem esse nome por ter sido construída em pedra branca. No lugar foram erguidas por uma civilização perdida figuras de animais e homens em escala natural, segundo referências da etnia local Pech, que vive há séculos na região.

De acordo com os primeiros dados sobre o achado, divulgados na quarta-feira, trata-se de uma civilização que existiu entre 1.000 e 1.200 d.C.

"O lugar (a cerca de 320 quilômetros a noroeste de Tegucigalpa) é tão remoto que não foi visitado por homens durante uns 600 anos”, disse à Reuters por telefone o arqueólogo Virgilio Paredes, diretor do Ihah.

Ali foram encontradas até agora umas 52 peças. Algumas delas são uma espécie de rosto de pedra com características de homem e jaguar. Foram achados também uma pirâmide de tijolos de barro e vários montes que parecem ser moradias. A maioria das peças estava enterrada.

Um grupo de especialistas do Ihah e da Universidade do Colorado (EUA) e também militares fizeram a descoberta na semana passada.

Paredes destacou que neste momento eles não têm certeza de que o local seja a “Cidade Branca”, mencionada por expedicionários espanhóis que chegaram à região no início da colonização.

Em 1939 o explorador norte-americano Theodore More, relatou no livro "The City of the Monkey God" (A Cidade do Rei Macaco) que tinha chegado à “Cidade Branca”, onde viu pirâmides e estátuas estranhas, entre elas a de um macaco.   Continuação...