ESTREIA-"O Amor é Estranho" é história de amor em tempos de especulação imobiliária

quarta-feira, 11 de março de 2015 15:42 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Apesar do título, "O Amor É Estranho" talvez não seja exatamente um filme sobre amor, mas sobre como negócios imobiliários podem interferir num relacionamento.

O longa começa com o casamento do pintor Ben (John Lithgow) e George (Alfred Molina), um professor de música. Estão juntos há muito tempo, mas só agora resolveram oficializar a união. Quando retorna ao trabalho, pouco depois, George é dispensando, pois os pais dos alunos não aceitariam sua nova situação.

É curioso que um sujeito com o perfil de George aceite de cabeça baixa sua demissão. Não reclama, sequer ameaça um processo por homofobia. Enfim, o que acontece é que ele e Ben não podem manter o apartamento e precisam contar com a ajuda de amigos e parentes. Cada um deles se instala num lugar diferente, criando uma distância entre eles.

Ben muda-se para o Brooklyn, onde o sobrinho, Elliot (Darren Burrows), um documentarista, vive com a mulher, Kate (Marisa Tomei), e o filho adolescente, Joey (Charlie Tahan). George aceita o sofá do apartamento de um casal de amigos gays e policiais, Ted (Cheyenne Jackson) e Roberto (Manny Perez).

Começa também a saga do casal em busca de um novo lugar para chamar de seu. Procuram programas governamentais, apartamentos que caibam no orçamento – Ben é aposentado e George passa a dar aulas particulares – mas tudo leva tempo.

Enquanto isso, mudanças começam a operar na vida de cada um deles. O pintor torna-se amigo do filho do sobrinho e seu companheiro descobre coisas novas, como a série “Game of Thrones”.

O roteiro, escrito pelo diretor Ira Sachs e o brasileiro Mauricio Zacharias --o filme é uma coprodução brasileira--, desenvolve situações a partir dos personagens, assim pinta miniaturas humanas repletas de detalhes que tentam lhes trazer realismo.

É preciso, no entanto, ter simpatia (ou, ao menos, paciência) com essa classe liberal-artística de Nova York que aparece no filme. São, para usar uma expressão da moda, gente de bem, repleta de boas intenções, mas sem muito interesse em entrar a fundo em qualquer problema, talvez nem nos seus próprios.

O filme depende exclusivamente da empatia com esse perfil humano, mais do que com o casal central e seu drama habitacional.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

 
Ator John Lithgow chega a pré-estreia de filme em Nova York, nos Estados Unidos, em novembro. 03/11/2014 REUTERS/Carlo Allegri