ESTREIA-Personagens são a razão de ser de "Um Fim de Semana em Paris"

quarta-feira, 1 de abril de 2015 16:13 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - "Nós sempre teremos Paris", diz o personagem de Humphrey Bogart a Ingrid Bergman em "Casablanca". Os ingleses Nick (Jim Broadbent) e Meg (Lindsay Duncan) estão casados há algumas décadas e esperam que uma viagem à capital da França possa servir não apenas como comemoração do aniversário de casamento como também consertar algumas diferenças que os perturbam.

O tom de "Um Fim de Semana em Paris" transita, assim, entre a melancolia e o joie de vivre, para usar uma expressão que caberia ao cenário do longa, que marca a terceira parceira entre o diretor Roger Michell (“Um Lugar Chamado Notting Hill”) e o escritor inglês Hanif Kureishi (“Intimidade”) – que já trabalharam juntos em “Recomeçar” e “Vênus”.

Paris, para o casal, é levar para longe as perturbações: a carreira acadêmica de Nick, que acabou de forma, aparentemente, não muito agradável, um filho adulto problemático, entre outras coisas.

A cidade, no entanto, não é barata e o casal talvez não possa se entregar a todos os luxos que deseja. Quando chegam, ela logo desdenha o hotel, e o abandona em busca de algo muito mais confortável, um pouco mais luxuoso e, claro, bem mais caro. A extravagância não cabe nas contas do casal – mas, enfim, aquela sonhada reforma do banheiro pode ser adiada.

As primeiras cenas já estabelecem a dinâmica entre a dupla, a calma de Nick – que, às vezes, beira a passividade – e a agitação e o espírito mandão dela, que sempre toma a dianteira das situações. Aos poucos, a viagem mais parece testemunhar a desintegração final da união entre eles do que a celebração das mais de três décadas de casamento.

A cidade parece induzir, ou, ao menos, permitir comportamentos excêntricos, como a ideia de que qualquer um pode ser um filósofo num café, ou revolucionário nas ruas. É nesse ambiente que Nick e Meg se tornam mais honestos um com o outro. Boa parte do filme conta apenas com o casal em cena e, sem ter com quem dividir ideias e aflições, as diferenças entre eles afloram. Ainda assim, sobram coisas a serem ditas, que se acumulam, mas, mais cedo ou mais tarde, precisarão ser externadas.

Nesse ambiente, algo do espírito sonhador dos anos de 1960 aflora nos personagens. Referências ao cinema de Jean-Luc Godard – mais aos personagens e situações do que à forma – vêm à tona, ao longo do filme, especialmente “Bando à Parte”, em sua anarquia melancólica e suavemente cômica.

Meg e Nick são crias daquela década, pessoas que esperavam um mundo melhor e se acomodaram na zona de conforto da classe média. Essa suada ida a Paris joga na sua cara que deixaram para trás seus ideais e sonhos de um mundo melhor.

Nick se autodescreve como um “anarquista de esquerda”. Lidar com dinheiro sempre o deixa desconfortável, cabendo não apenas a Meg cuidar das finanças como um consumo desenfreado que, dadas as circunstâncias monetárias do casal, chega a ser um ato impensado de rebeldia.   Continuação...

 
Vista geral do rio Sena e da torre Eiffel em Paris, na França. 23/03/2015 REUTERS/Philippe Wojazer