Diretor de cinema português Manoel de Oliveira morre aos 106 anos

quinta-feira, 2 de abril de 2015 11:54 BRT
 

LISBOA (Reuters) - Manoel de Oliveira, patriarca do cinema português e último diretor ativo do mundo a ter começado a carreira em filmes mudos, morreu nesta quinta-feira aos 106 anos, de acordo com colegas.

Oliveira produzia filmes desde 1931 e a idade não diminuiu seu ritmo. O português filmou cerca de um filme por ano nas últimas duas décadas, com interesse maior na arte do que em produtos comerciais, mas sempre encontrando audiência.

Ele morreu em sua casa no Porto, sua cidade natal, no norte de Portugal.

"Sua idade era velha. Mas ele era um jovem garoto no coração, que lhe deu encantamento na vida. Sua atitude de criança ingênua era admirável em seu trabalho", disse a atriz Glória de Matos.

Seu último filme, um curta-metragem chamado "Chafariz das Virtudes", estreou em dezembro de 2014, no mês em que completou 106 anos. No mesmo mês recebeu a Ordem Nacional da Legião da Honra da França, onde era mais conhecido do que em seu país natal.

Entre diversos prêmios conquistados ao longo da carreira, estão dois Leões de Ouro em Veneza, o Prêmio do Júri e a Palma de Ouro em Cannes por conquistas alcançadas durante a vida.

Um de seus filmes mais conhecidos, "O Convento", de 1995, estrelou Catherine Deneuve e John Malkovich. Oliveira também dirigiu a última aparição da lenda italiana Marcello Mastroianni em "Viagem ao Princípio do Mundo", lançado em 1997.

(Reportagem de Andrei Khalip)

 
Diretor de cinema português Manoel de Oliveira em foto de arquivo em Lisboa. 13/03/2008 REUTERS/Hugo Correia