Artistas de guerrilha instalam estátua de Snowden em parque de Nova York

segunda-feira, 6 de abril de 2015 18:13 BRT
 

Por Laila Kearney

NOVA YORK (Reuters) - Um grupo de artistas anônimos ergueu uma estátua de bronze de Edward Snowden, o ex-funcionário de uma agência de espionagem dos Estados Unidos que ficou famoso por vazar informações confidenciais, num parque da cidade de Nova York durante a noite, disseram autoridades nesta segunda-feira.

O busto de Snowden, retratado usando uma camisa e seus óculos característicos, foi colocado sobre um pedestal de pedra que já fazia parte de um monumento existente no parque Fort Greene, no Brooklyn, mostraram fotos publicadas em redes sociais.

O nome "Snowden", escrito em letras de bronze, pareceu ter sido incrustado a um pedestal menor adjacente, sobre o qual fica uma águia com as asas abertas, uma antiga escultura do parque.

A ideia da estátua foi concebida por dois artistas de guerrilha nova-iorquinos que trabalharam com um escultor para criar a peça final, noticiou o Animal New York, um blog local de notícias e cultura que foi convidado a testemunhar a colocação da peça durante a madrugada.

Os artistas, cujos nomes não foram revelados, disseram simpatizar com Snowden, e por isso decidiram fazer uma instalação para homenagear o ex-prestador de serviço da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA, na sigla em inglês) que vazou detalhes sobre extensos programas de coleta de dados de inteligência norte-americanos e hoje está refugiado na Rússia.

“Nossa meta é renovar a vitalidade do espaço e fazer com que cada vez mais visitantes reflitam sobre os sacrifícios feitos em nome de suas liberdades”, disseram os artistas em comunicado publicado no blog.

“Esperamos que isso inspire os visitantes a refletir sobre a responsabilidade que todos nós carregamos de garantir que nossas liberdades continuem a existir por um longo futuro”, diz o texto.

(Reportagem de Laila Kearney)

 
Curiosos observam uma estátua de Edward Snowden coberta no Fort Greene Park, em Nova York, Estados Unidos, nesta segunda-feira. 06/04/2015 REUTERS/Brendan McDermid