Escritor uruguaio Eduardo Galeano morre aos 74 anos

segunda-feira, 13 de abril de 2015 18:45 BRT
 

Por Patricia Avila e Malena Castaldi

MONTEVIDÉU (Reuters) - O escritor uruguaio Eduardo Galeano, autor do emblemático livro "As Veias Abertas da América Latina" que serviu de guia para a esquerda da região, morreu nesta segunda-feira em Montevidéu aos 74 anos após lutar contra uma longa doença.

Motivador do revisionismo histórico e de um desenvolvimento autônomo do subcontinente, o intelectual sofria há vários anos de câncer no pulmão, motivo pelo qual foi submetido a uma cirurgia em 2007.

Uma porta-voz da editora Siglo XXI, em Buenos Aires, confirmou à Reuters a morte do escritor e jornalista.

"O mundo perde um dos personagens mais importantes, o mundo perde um professor da descolonização e a libertação de nossos povos", disse durante entrevista coletiva o presidente da Bolívia, Evo Morales, com quem Galeano havia se encontrado no mês passado.

Pelo Twitter, os governos de Equador e Argentina também reagiram à notícia que deu a volta ao mundo.

A presidente Dilma Rousseff disse em comunicado que "é uma grande perda para todos que lutamos por uma América Latina mais inclusiva, justa e solidária com os nossos povos".

"Aos uruguaios, aos amigos e à nossa imensa família latino-americana, quero prestar minhas homenagens e lembrar que continuamos caminhando com os olhos no horizonte, na nossa utopia", acrescentou.

O autor, nascido em Montevidéu em 1940, deixou uma profunda marca em historiadores, escritores e militantes políticos do continente, onde seus livros estiveram proibidos durante anos pelas sangrentas ditaduras que governaram o Cone Sul nas décadas de 1970 e 1980.   Continuação...

 
Eduardo Galeano durante palestra na Cidade do México.  22/02/2011  REUTERS/Jorge Dan Lopez