ESTREIA–“Jurassic World” decepciona ao repetir fórmula do filme original

quarta-feira, 10 de junho de 2015 16:56 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - Pouco depois do começo de “Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros”, um personagem secundário diz: “Mas o primeiro era mais legal”. Ele se refere ao parque temático – cenário dos filmes dos anos 1990 – mas poderia muito bem se referir à própria série.

Lançado em 1993, quando os efeitos visuais estavam longe da excelência de hoje, e sob a direção de Steven Spielberg (aqui atuando apenas como produtor executivo), o original impressionava ao dar vida a dinossauros assustadores.

Aqui, apesar da evolução dos efeitos ou, então, por causa das duas sequências fracas feitas antes dele, o filme resulta em algo um tanto enfadonho, cuja energia acaba mesmo antes da metade.

Claro que há criaturas novas e mais gigantescas, mas estão servindo ao mesmo propósito de mais de 20 anos atrás – ou seja, nada de novo sob o sol. O filme, em si, materializa o mesmo dilema da série: a necessidade e a impossibilidade de se reinventar.

O novo parque – agora chamado de Jurassic World – vai relativamente bem, mas dá sinais se cansaço com o público estagnado. Isso preocupa mais a diretora do local, Claire (Bryce Dallas Howard), do que o dono, Masrani (Irrfan Khan), que diz se importar apenas com a diversão dos visitantes e o bem-estar dos animais, o lucro é o de menos – mais tarde, irá se revelar um hipócrita, enfim.

Para renovar o interesse pelo parque, uma equipe de cientistas produz uma nova espécie, resultado de cruzamentos de DNA, que geram a grande estrela do show, a Indominus Rex, uma espécie de super-tiranossauro rex ainda maior e mais agressivo.

Não é preciso estudar engenharia genética para saber que vai dar errado. A nova criatura ainda não foi apresentada ao público. O único contato que teve até hoje foi com uma grua que, de tempos em tempos, joga pedaços de carne para ela, em sua área fechada do parque.

O elenco humano também inclui Owen (Chris Pratt, ainda aproveitando o status de herói adquirido com “Guardiões da Galáxia”), um ex-membro da Marinha que se tornou uma espécie de “encantador de dinos”, capaz de travar uma relação de confiança com um quarteto de velociraptors, criados em cativeiro – e, apesar do tamanho, as criaturas mais inteligentes do filme.

Em todo caso, Pratt tem mais sorte do que Bryce, cuja personagem passa a primeira metade do filme como a executiva arrumadinha e chata, e a segunda como a chata descabelada que precisa ser salva a todo momento.   Continuação...

 
Ator Chris Pratt durante estreia mundial do filme "Jurassic World" em Hollywood. 09/06/2015 REUTERS/Mario Anzuoni