Restaurante de lámen ganha estrela no guia Michelin e Tóquio mantém topo do ranking

terça-feira, 1 de dezembro de 2015 13:23 BRST
 

TÓQUIO (Reuters) - Um restaurante que serve lámen, um simples prato japonês de macarrão, garantiu lugar entre os estabelecimentos gourmet mais celebrados do mundo, e Tóquio manteve sua coroa de capital mundial do jantar no famoso guia Michelin pelo nono ano consecutivo nesta terça-feira.

Entre os restaurantes que receberam três estrelas na edição 2016 do Michelin da capital japonesa está um que serve baiacu, um peixe que pode ser venenoso se preparado indevidamente, e outro especializado em sushi cujo chef está na casa dos 80 anos.

O guia também aumentou sua lista de estabelecimentos na seção "Bib Gourmand", que enfatiza restaurantes mais baratos e incluiu curry ao estilo local e gyoza, a versão japonesa de um bolinho de massa chinês de recheios variados.

"O número de restaurantes em Tóquio é simplesmente imenso, e a variedade é muito ampla, o que a torna uma cidade extremamente atraente para jantares sofisticados", disse Michael Ellis, diretor internacional dos guias Michelin, em comunicado.

Treze restaurantes conquistaram a cobiçada avaliação de três estrelas, um a mais do que no ano passado – o "Kohaku", restaurante japonês que oferece versões elaboradas de pratos tradicionais elegantes, tinha duas estrelas.

Um fato inédito em todo o mundo foi a concessão de uma estrela ao "Tsuta", restaurante que oferece lámen, ou macarrão com sopa.

No total, 217 restaurantes de Tóquio ganharam estrelas, sendo que em 2014 foram 267, mas ainda é a cifra mais alta de qualquer capital, informou uma porta-voz do Michelin.

O primeiro guia de restaurantes Michelin, criado para atender motoristas nos primórdios da popularização do automóvel, foi publicado pela fabricante de pneus em 1900, e o sistema de avaliação por estrelas foi adotado nos anos 1920.

Tóquio foi a primeira cidade asiática a ter uma edição exclusiva.   Continuação...

 
Executivos aguardando em fila de restaurante em Tóquio.  19/12/2014   REUTERS/Issei Kato