ESTREIA–Faroeste “Os Oito Odiados” recria tensões raciais pós-Guerra Civil nos EUA

quarta-feira, 6 de janeiro de 2016 16:54 BRST
 

SÃO PAULO (Reuters) - Antes de mais nada, “Os Oito Odiados”, oitavo filme dirigido por Quentin Tarantino, é uma revisita a tudo o que o inquieto diretor fez e também a suas referências. Ele mostra, assim, que não procura adentrar novo território e sim afinar suas ferramentas narrativas.

Em mais de um sentido, Tarantino olha para o passado. Sua história aqui se passa no século 19, num Wyoming coberto por uma densa neve, pouco depois do fim da Guerra Civil americana. O gênero, que ele revisita uma segunda vez depois de “Django Livre” (2012), é o faroeste, sempre com um foco firme tanto na questão racial norte-americana como nos faroestes espaguete de Sergio Leone.

E, como sempre, se está no terreno em que Tarantino se sente mais à vontade, sua peculiar mistura de exasperação, excessos, humor negro, violência e provocações aos postulados politicamente corretos.

Tudo isso e um pouco mais define o enredo do novo filme, que os brasileiros não o verão no formato em que foi originalmente filmado, o velho 70 mm – isto porque não foi possível, no país, resgatar dos antigos projetores em funcionamento. Assim, o filme será visto por aqui em scope digital.

Muitos rostos na tela são de velhos conhecidos de outros filmes do diretor, caso de Samuel Jackson, Kurt Russell, Michael Madsen, Walton Goggins e Tim Roth, além de outros novatos em sua filmografia, como Bruce Dern e Jennifer Jason Leigh, única personagem feminina de peso no núcleo principal.

Jennifer interpreta a prisioneira Daisy Domergue, assassina confessa e condenada, sendo levada para execução por um implacável caçador de recompensas, John Ruth (Kurt Russell).

Conhecido como “Carrasco”, o único princípio que parece capaz de seguir é entregar seus prisioneiros vivos, já que sua integridade física pouco lhe importa.

A própria Daisy, que não é bem flor que se cheire, vive levando pancadas de seu captor.

Os dois são os únicos ocupantes de uma diligência, conduzida por um cocheiro, O.B. Jackson (James Parks), rumo à cidade de Red Rock, onde se dará o enforcamento da assassina. No meio do caminho, salta-lhes à frente um candidato a carona, o major Marquis Warren (Samuel L. Jackson) –um ex-militar da União, atualmente caçador de recompensas que, ao contrário de Ruth, prefere levar seus prisioneiros bem mortos.   Continuação...

 
Tarantino, em Hollywood 5/1/2016  REUTERS/Mario Anzuoni